Arifureta Zero – Volume 1 – Capítulo 1 (Parte 5 de 11)

Quando todos se acalmaram, Oscar se sentou com as crianças para jantar. A garota, que disse que se chamava Miledi, também se juntou. Parecia que ela viera porque possuía negócios com Oscar. Oscar perguntou por que ela veio, mas aparentemente era uma longa história, então, por sugestão de Moorin, eles decidiram jantar primeiro.

A forma refinada com que ela comia sugeria que Miledi era de educação nobre. As duas garotas de sete anos sentadas ao lado dela, Corrin e Katy, começaram a sussurrar uma à outra.

Elas coraram, olharam para Oscar, cochicharam de novo. Ele duvidava que elas estivessem dizendo alguma coisa de bom sobre ele. Ele olhou de forma suspeita para Miledi, mas ela apenas sorriu para ele.

Deus, ela é irritante. Oscar queria desesperadamente dizer isso a ela cara a cara. Mas ele não o fez. Ele não queria dar um mau exemplo para suas irmãs fofinhas.

Corrin possuía o seu cabelo ruivo amarrado para trás em um rabo-de-cavalo no mesmo estilo do de Oscar. De todas as crianças do orfanato, ela era a mais tímida. Seu olhar de cachorrinho também poderia transformar instantaneamente em escravo qualquer um que não fosse parte de sua família. Eles já estavam acostumados.

Katy, em contrapartida, mantinha seu cabelo castanho-claro em tranças e era a mais desconfiada de todas as crianças. Além de Oscar e as outras crianças do orfanato, ela não confiava em ninguém.

O fato de que essas duas garotas estavam dispostas a relaxar perto de Miledi, significava que ela poderia ser irritante e talvez um pouco maluca, mas ela não era má pessoa.

Por isso, Oscar pensou que não seria correto insultá-la.

— Muito bem. Então O-kun é um irmãozão gentil e confiável.

— S-sim! Onii-chan pode fazer qualquer coisa! — Corrin sorriu e estufou orgulhosamente seu peito. Oscar sorriu de volta.

Miledi deu um sorriso largo. Oscar franziu a testa de volta.

As crianças esqueceram de sua comida e começaram a explicar a Miledi o quão incrível Oscar era.

— É verdade, Miledi-san. Todos os brinquedos e as coisas na casa foram feitas por onii-san. E fez todos eles quando tinha a minha idade!

O garoto mais velho no orfanato, Dylan, se gabou sobre os feitos de Oscar. Ele era o mediador entre todas as outras crianças. Como Corrin, ele tinha o seu cabelo castanho arrumado no mesmo tipo de rabo-de-cavalo que Oscar.

— Você sabia? Onii trabalha na Oficina Orcus! O cara que é o chefe disse que queria ele! Não é incrível!? — Os olhos de Katy brilhavam enquanto falava.

— Onii-chan nos deu algo para mostrar que somos parentes. — Corrin estendeu a moeda pequena pendurada em seu pescoço. As outras crianças também estenderam suas moedas. Elas não pareciam nada valiosas, então ninguém iria se incomodar em roubá-las.

Mesmo assim, Miledi não gozou deles por darem valor a essas moedas.

— Uau, vocês são todos muito próximos, hein!? — Ela parecia honestamente impressionada. Todas as crianças sorriram orgulhosamente e continuaram regalando Miledi com contos sobre a grandiosidade de Oscar.

— P-pessoal. Qual é, deem um t… — Envergonhado, Oscar tentou fazê-los parar. Antes que pudesse, no entanto, Miledi o cortou.

— Me conte mais, onii-chan! Eu quero ouvir o quão maravilhoso você é, onii-chan! Sabia que tinha razão em te escolher, onii-chan! Não acha também, onii-chan? Ei, onii-ch…

— Me chame mais uma vez de onii-chan e eu acabo com você. — Embora ele estivesse sorrindo, existia intenção assassina nos olhos de Oscar. Ele tentava agir de forma civilizada a fim de dar um bom exemplo aos seus irmãos pequenos, mas ele não aguentava mais.

— Minha nossa, você tem um lado surpreendentemente selvagem, O-kun… — Por alguma razão, Miledi estava corando.

— Por favor, não me chame de O-kun também. — Ele deu um jeito de reinar sobre suas emoções e parecer calmo novamente. Ele não queria agir grosseiramente na frente de sua família, afinal de contas. Apesar de que, internamente, ele ainda pensava: Me chame de O-kun outra vez e eu vou te esganar.

Miledi olhou para ele por um momento antes de responder:

— Não quero! — exclamou ela, com um sorriso no rosto o tempo todo.

Houve um ruído alto quando Oscar quebrou o garfo que estava segurando.

Dylan e os outros se viraram para olhar a mão de Oscar. Quando eles olharam, o garfo parecia tão bom quanto um novo.

Ele havia reparado com sua transmutação. As crianças inclinaram a cabeça com perplexidade.

— Uau, isso foi incrível! Nunca vi nada assim! — Oscar foi longe ao ponto de ocultar o brilho de sua mana secretamente, mas Miledi teve que ir e acabar com seu disfarce.

Uma voz fria que soou mais irritada do que Oscar pareceu perfurar o silêncio que seguiu:

— Você não é só um perdedor agora? — Dylan e os outros se viraram de surpresa.

A pessoa que falou era Ruth. Ele estava olhando para seu prato. Ruth possuía o cabelo preto espetado e fizera recentemente onze anos.

— Ei, Ruth! — gritou Dylan a Ruth. No entanto, Ruth ergueu os olhos do prato e olhou feio para Dylan.

— É a verdade! Mesmo que ele trabalhe na Oficina Orcus, ele não faz nenhuma arma. Ele é só um perdedor que só pega pedidos de cidadãos comuns! Todo mundo sabe! — Ruth evitou sugestivamente olhar para Oscar.

Como Oscar, Ruth era um Sinergista.

Entre os órfãos, ele era quem admirava Oscar ao máximo. Quando Oscar ainda vivia no orfanato, Ruth o seguia por todo o lado. Eles possuíam o mesmo cabelo preto notável, e as pessoas sempre pensavam que ambos eram irmãos de verdade.

— Ruth, peça desculpas a Oscar. Isso foi desnecessário. — Moorin esteve sorrindo o tempo todo até o momento, mas as palavras de Ruth fizeram ela franzir a testa. Seu tom foi suave, mas firme.

Ruth hesitou por um segundo, mas então repetiu teimosamente:

— Mas é verdade! Se ele não é um perdedor, então deveria mostrar a todos! Se ele mostrasse a eles quão forte ele realmente é, então todas aquelas pessoas estúpidas iriam calar a boca, mas ele não faz nada! E quer saber, é porque ele não pode! Ele só sorri como um idiota o tempo todo e não diz nada! Ele é apenas um fracote que não quer revidar! — Foi como se uma represa tivesse rebentado dentro dele. Quando as palavras começaram a fluir para fora dele, não conseguiu parar.

A sensação era a de ter sido traído, ao ver o homem que ele idolatrava tanto acabar assim.

Oscar entendia isso também, então ele não disse nada. Ele apenas sorriu com seu sorriso habitual. Se ele realmente era assim tão bom, deveria mostrar. Se ele não fosse, então isso só iria machucar Ruth ainda mais.

Ruth queria que Oscar retrucasse, dissesse que não era verdade. Em vez disso, ele recebeu o sorriso de Oscar, que só o irritou ainda mais. Ruth se levantou, incapaz de suportar ficar na sala por mais tempo.

— Isso não é verdade! — Uma voz alegre o parou.

— Você acha O-kun incrível também, não é, Ruth-kun? Consigo perceber.

— E-eu não!

— Claro que sim~ Meus olhos Miledi especiais podem ver através de tudo! Sei perfeeeitamente como se sente~ Você realmente acha O-kun incrível, eu sei! — disse presunçosamente Miledi.

Todo mundo olhou surpreso para Miledi, mesmo Oscar. O tom dela foi tão alegre como sempre, mas suas palavras possuíam um peso estranho.

— É por isso que eu queria ver O-kun. Passei tanto tempo procurando por alguém como você. — Ela se virou para o rosto de Oscar, com seu olhar perfurando através dele.

Ela falou de novo, quase como um sussurro:

— Finalmente te encontrei. — Ela fechou os olhos e sorriu.

Ela parecia sinceramente feliz por ter conseguido encontrá-lo.

Oscar sentiu seu coração falhar uma batida. Mas que raios ela sequer sabe de mim?

Sim, certamente seu coração vacilou porque ele estava preocupado sobre como ela sabia tanto sobre ele. Definitivamente não por qualquer outra razão. Ao menos, era isso que Oscar dizia a si mesmo. Ele ajustou seus óculos para esconder sua expressão.

Infelizmente para ele, os olhos de Miledi realmente podiam ver através de qualquer coisa.

— Minha nossa, porventura meus olhos me enganaram? O-kun, seu coração não acabou de parar por um segundo? Meu sorriso foi tão cativante assim? Bem, foi? Vamos, diga~

— Cale a boca, você é irritante. — Nesse momento pelo menos, era assim que ele realmente se sentia.

A conversa de Miledi e Oscar dissipou o clima tenso que se instalou na mesa de jantar e todos voltaram à comer.

Até mesmo Ruth se sentou de volta e virou o olhar solenemente para seu prato.

No entanto, as palavras de Miledi ainda rodopiavam no fundo da mente de Oscar.

Ele não sabia por que ela veio até ele, mas ele podia sentir que era extremamente importante para ela.

Sua declaração pareceu quase que uma confissão de amor. Corrin e Katy certamente pareciam pensar que foi isso, no mínimo. Elas se mantiveram olhando de volta entre Miledi e Oscar.

KakaSplatT
☦ Death To The World ☦

3 Comentários

  1. Talvez não seja tão bom ter olhos assim… A ignorância sobre certas coisas é uma benção!

    Muito obrigado pelo capítulo 🙇🏻‍♂️😁

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
error: O conteúdo deste site está protegido!