Arifureta – Volume 1 – Capítulo 5 (Parte 4 de 7)

Assim que o enterro terminou, Hajime e Yue voltaram aos dois lugares que estavam trancados anteriormente. Quando o enterraram, eles tinham retirado o anel que ele estava usando em seu dedo esquelético. Não era roubo de túmulo, uma vez que ele não estava enterrado. O anel tinha um símbolo gravado de um círculo com uma cruz o dividindo em partes, que combinava perfeitamente com os entalhes das fechaduras.

Primeiro, eles foram à biblioteca. Eles esperavam que alguns dos livros teriam a informação de como voltar à superfície. Hajime e Yue quebraram o selo das prateleiras e começaram a folhear os volumes. Durante suas buscas, eles encontraram o que parecia ser a planta do edifício. Não era tão detalhado quanto um conjunto adequado de plantas, mas havia um monte de memorandos do que seria construído, aonde e como a disposição da casa ficaria.

— Bingo! Encontrei, Yue!

— Ótimo.

Hajime deu um grito de alegria. Yue também respondeu alegremente, embora com menor intensidade. Segundo a planta, o círculo mágico no terceiro andar se conectava a outro círculo que os teleportaria de volta à superfície. Parecia que a função só poderia ser ativada com o anel de Orcus, no entanto. Foi sorte eles terem roub… pegado o anel dele.

Eles também descobriram que a limpeza era gerida automaticamente em intervalos fixos por golens que repousavam em uma das áreas da oficina, e que o globo pendurado no teto possuía as mesmas propriedades do sol, para que pudessem cultivar se quisessem. Então é por isso que está tão limpo apesar de ninguém viver aqui há anos.

Havia vários artefatos e materiais raros que Oscar esteve trabalhando na sala trancada de sua oficina, segundo os memorandos. Hajime decidiu roub… pegar esses também. Não havia nada de mau em ter itens para trabalhar afinal.

— Hajime… veja isso.

— Hum?

Yue estava olhando outros livros enquanto Hajime se debruçava sobre as plantas, e ela veio até ele com um deles em mãos. Acabara por ser o diário de Oscar. Ele narrava a vida cotidiana de Oscar e seus seis companheiros poderosos. Em um dos trechos falava sobre os labirintos que seus seis camaradas fizeram.

— …Então, basicamente, isso significa que se conquistarmos os outros labirintos, também poderemos obter as magias antigas que os outros Libertadores possuíram?

— …Talvez.

De acordo com seu diário, seus seis camaradas também tinham projetado seus labirintos para que quem conseguisse chegar nas profundezas mais longínquas, fosse concedido a magia da Era dos Deuses. Desafortunadamente, o diário não entrava em detalhes de que tipo de magia cada um tinha.

— Um deles poderia nos ajudar a voltar para seu mundo. — Yue definitivamente tem uma certa razão. Afinal de contas, a magia de teletransporte que invocou minha turma aqui também era da Era dos Deuses.

— Sim. Agora temos uma ideia de onde procurar. Nosso objetivo depois de voltarmos à superfície será conquistar os outros seis labirintos.

— É.

Hajime sorriu, contente por ter finalmente encontrado uma direção. Ele começou a acariciar inconscientemente a cabeça de Yue, a qual fechou os olhos alegremente e se deixou ser mimada.

Eles vasculharam a biblioteca por mais um tempo, mas não conseguiram encontrar nenhum livro que os dissesse as localizações exatas dos outros labirintos. Por ora, eles estavam limitados às duas localizações que eram conhecidas, o Grande Vulcão Gruen e a Floresta Haltina. Eles poderiam começar a procurar também pelo Desfiladeiro Reisen e os Campos de Neve Schnee, onde dois dos outros labirintos diziam estar escondidos.

Depois que terminaram de vasculhar a biblioteca, os dois foram à oficina. Havia um monte de portas trancadas na oficina, todas as quais Hajime abriu com o anel de Orcus. Aglomerado dentro delas estavam todos os tipos de minérios, ferramentas com propósitos desconhecidos e manuais de trabalho. Todo o tesouro escondido era um sonho realizado de Sinergista. Hajime dobrou seu único braço enquanto se perdia em pensamentos. Yue inclinou a cabeça, confusa, e lhe perguntou sobre o que estava pensando.

— …O que foi? — Depois de pensar profundamente por alguns minutos, Hajime se virou para Yue e respondeu.

— Hmm, assim, estava pensando. Que tal ficarmos aqui mais um pouco, Yue? Não me entenda mal, estou ansioso para voltar à superfície também… mas, como há todas essas coisas para explorar e aprender, poderia ser melhor fazer dessa a nossa base e descansar um pouco. Especialmente pelo fato de que se vamos ir depois para os outros labirintos, seria melhor nos prepararmos tanto quanto possível. O que você acha? — Hajime estava tentando ser atencioso com Yue, já que ele achava que depois de 300 anos de escuridão, ela estaria louca para ver a luz, mas ela concordou bem rapidamente depois de olhar vagamente para ele por alguns segundos. Hajime achou isso um pouco estranho, mas ela só lhe deu uma resposta curta.

— …Enquanto eu estiver com você, Hajime, qualquer lugar está bom. — Parecia que ela não abrigava nenhum desejo ardente de ver o sol. Hajime corou e coçou a bochecha quando ouviu ela declarar isso tão ousadamente.

Com isso resolvido, os dois decidiram ficar para treinar e se preparar tanto quanto possível.

Logo a noite veio e a luz plena do dia se tornou uma luz pálida do luar. Hajime estava imerso no banho nesse momento, deixando seu corpo inteiro relaxar pela primeira vez em meses. Ele esteve no limite desde que tinha caído no abismo. O banho purificou ambos seu corpo e alma.

— Haaaah, isso é ótimo! — Esse tipo de tom despreocupado foi o primeiro do novo Hajime. Enquanto ele deixava a energia se drenar do seu corpo, ele ouviu repentinamente o som de passos se aproximando. Ele se amaldiçoou por deixar a guarda baixa.

— Já te disse que queria me banhar sozinho!

Houve um barulho alto de água.

— Hmm… Isso realmente é agradável… — E então, Yue se sentou próxima a ele. Ela deslizou para perto de Hajime, completamente nua.

Sua pele linda de cor porcelana brilhava encantadoramente à luz da lua. Essa foi a primeira vez que Hajime tinha visto seu cabelo apanhado. A nuca exposta de seu pescoço só servia para aumentar seu charme.

— …Yue, me lembro bem de dizer várias vezes que queria tomar banho sozinho, então, por que está aqui? — Hajime sabia que o calor surgindo em seu corpo não tinha nada a ver com o calor da água. Ele repreendeu Yue mais furiosamente que o habitual, tentando esconder a sua excitação.

Yue poderia dizer facilmente o que estava passando na mente de Hajime nesse momento, ela lhe deu seu olhar de soslaio mais sedutor quando respondeu.

— …Mas, me recuso.

— Ei! Quando é que arranjou tempo para ler Jojo!

— ……

Hajime retorquiu reflexivamente. O que, infelizmente, queria dizer que ele olhou para ela. Sua pele ligeiramente corada preencheu sua visão. Havia um pequeno rubor tingindo o rosto dela, a fazendo parecer ainda mais erótica. Sua aparência atual lhe lembrou que ela era realmente muito mais velha que ele. Ele já não conseguia suportar, mas de alguma forma ele estava muito mais calmo do que quando esteve enfrentando a Hidra.

— Pelo menos cubra sua frente. Eu sei que essa casa tem um monte de toalhas.

— Eu quero que você olhe.

— …… — Hajime ficou sem palavras. Sua resposta inesperada o deixou ainda mais agitado que antes. Sua metade inferior estava ansiosa e preparada, enquanto espreitava com um “Você chamou, Mestre?”.

— …Vê? Hajime, você não quer ver? — Yue seguiu com outro ataque. Sua voz suplicante estava esgotando lentamente o raciocínio de Hajime. “Mestre! Alvo avistado às 12 horas!”. Sua respiração começou a ficar irregular.

— H-Hmm, Yue. Não sei se eu…

— …Não sou bonita o suficiente?

Hajime tentou argumentar uma saída para a situação, mas Yue o encurralou com uma sequência muito depressiva. Quando os olhos dela encontraram os seus, ele percebeu que a tristeza e a insegurança na voz dela tinham sido reais.

— Não é isso. Acredite em mim, você é muito bonita. Não há como eu achar você feia. — Antes que percebesse, a voz de Hajime tinha ficado mais alta e estava quase gritando. Depois que terminou de gritar, ele percebeu subitamente quão acalorado tinha ficado e viu que era tarde demais para voltar atrás. Yue tinha a mesma expressão sedutora que tinha no início.

— …Entendi. Isso me faz feliz. Porque eu pertenço a você, Hajime. Então olhe o quanto quiser.

— …… — Yue se levantou abruptamente. A água do banho escorria por sua pele macia enquanto ela se mostrava para Hajime.

Hajime observou uma gota de água escorrer pelo seu corpo. Ela passou sobre seus seios modestos, se agarrou firmemente em sua cintura esbelta, seguiu por suas partes inferiores antes de, finalmente, percorrer suas coxas e regressar ao corpo de água maior abaixo dela.


KakaSplatT
☦ Death To The World ☦

17 Comentários

  1. Agora já era, o soldado já avistou o alvo. Não adianta tentar conte-lo, enquanto o objetivo não for concluído, o soldado vai continuar em alerta uahuahuhauah

  2. Será que o Hajime perderá o controle? Vai afogar o ganso? Vai tirar o Hajime Jr. da miséria? Será que vai ser descrito explicitamente?

    Essas e outras perguntas serão respondidas quinta-feira, na 3Lobos?

    Obrigado pelo capítulo…

  3. Eis que finalmente chego nessa parte.
    Não aguentava mais…( ͡° ͜ʖ ͡°)-☕( ͡° ͜ʖ ͡°)-☕( ͡° ͜ʖ ͡°)-☕

  4. Kkkkkkkkk! Ri demais com esses dois! Cai dentro Hajime, literalmente! Muahahahaha!

    Muito obrigado pelo capítulo, Kaka 🙇🏻‍♂️😁

  5. Eu tiro o meu chapéu pro Hajime pelo seu grande alto controle…as cenas são tão boas que até o meu Juninho(🐣🐤🐥) ta se lavando pra ler também¯(ツ)/¯

  6. Eu tiro o meu chapéu pro Hajime pelo seu grande alto controle…as cenas são tão boas que até o meu Juninho(🐣🐤🐥) ta se lavando pra ler também¯(ツ)/¯

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
error: O conteúdo deste site está protegido!