Arifureta – Volume 2 – Capítulo 1 (Parte 8 de 18)

Provavelmente esperava lançar um ataque surpresa nos dois enquanto suas atenções estavam focadas na Hivéria que vinha até eles pela frente. A segunda bala era a que havia arrancado seu braço. Com seu equilíbrio desfeito, a segunda Hivéria tombou no chão se contorcendo de dor.

— O-O que… — O olhar do homem-coelho adulto volteou da Hivéria morta na frente àquela que gritava de dor atrás de si, com seu queixo escancarado em espanto absoluto.

Mais alguns disparos seguiram logo depois, e a Hivéria que se contorcia no chão se transformou em um queijo suíço. Ela deu um último grito agudo deplorável antes de morrer, com o torso praticamente feito em pedaços nesse momento. Houve outro baque retumbante quando desabou.

Enfurecidas com a morte de suas camaradas, todas as Hivérias restantes atacaram de uma só vez. Os homens-coelho, congelados de medo, ouviram repentinamente um barulho completamente desconhecido para eles.

Suas orelhas de coelho sensíveis captaram um barulho estranho e estridente, como o som de algo liberando pressão. Quando todos se viraram ao mesmo tempo para ver qual era a fonte do som, eles viram um veículo preto estranho de algum tipo vindo em direção a eles em alta velocidade. Parecia ter três pessoas montadas em cima.

Uma das quais era uma garota que todos reconheceram. Ela desaparecera nessa manhã e o clã inteiro estava à sua procura. Preocupada com sua família como estava, não havia nenhuma de sua alegria habitual em sua expressão naquela manhã. Ela devia ter se sentido responsável pelo drama de seu clã, já que sua expressão estivera cheia de culpa. Todo mundo havia assumido que a razão pela qual ela desapareceu foi porque estava preocupada com eles e saíra para tentar algo precipitado. Por causa disso, eles perderam a precaução na pressa de encontrá-la e foram apanhados pelas Hivérias. Eles esperaram ser exterminados ali sem nunca a encontrar, mas… Lá estava ela, de pé na parte de trás do estranho veículo preto, acenando alegremente. Seu sorriso inocente habitual estava estampado no rosto de novo. Todos olharam com descrença fixamente para ela.

— Pessoal… Eu encontrei ajuda! — A voz familiar dela os trouxe de volta à realidade, e a ficha finalmente caiu com o fato de que foram realmente salvos. E quando isso aconteceu, todos eles berraram o seu nome.

— Shea!? — Hajime estalou a língua irritado enquanto observava Shea acenar alegremente para sua família. Ele, claro, não deixou a velocidade de Steiff diminuir com a distração.

Não era a sua felicidade que o incomodava, mas o fato de que ela estava apoiando todo seu peso contra ele a fim de não cair, o que significava obviamente que sempre que ela saltava alegremente para lá e para cá, seus peitos da classe couraçados batiam na parte de cima da cabeça de Hajime. De fato, o motivo pelo qual ele errou o segundo tiro foi porque os peitos dela o distraiu.

Irritado por ela continuar pulando, Hajime agarrou Shea pelo que sobrava de suas roupas. Ela olhou para ele interrogativamente. Por ele ainda estar olhando para frente, ela não conseguia ver que tipo de expressão ele tinha, mas por alguma razão ela tinha um mau pressentimento. Ela o questionou com tom tímido:

— H-Hum, Hajime-san? O que foi? Por que está agarrando minhas roupas assim?

— Se vai ficar me atrapalhando, prefiro fazer um bom uso de sua energia para me ajudar.

— O-O que quer dizer… F-Fazer um bom uso como?

— Ah, nada de mais, apenas te jogar no grupo de monstros famintos.

— E-Espere, o quê…? Ah, por favor, não me levante dessa forma. Por favor, pare de soar como se estivesse prestes a me jogaaaar. — Shea se esforçou impotentemente contra o punho de ferro de Hajime, mas as estatísticas de força dele era mais de oito mil! Ela nunca teria chance.

Hajime derrapou Steiff com apenas uma mão, e assim usou a força centrífuga da curva para arremessar Shea ao grupo de Hivérias voando acima.

— Vá até elas, sua coelha imprestável!

— Nãããããããããããããããããããããããããããão!

Shea voou pelo céu com uma quantidade surpreendente de velocidade. Seus gritos puderam ser ouvidos por todo o desfiladeiro. Sua família gritou alarmada, com os olhos bem abertos. Na verdade, essa reviravolta foi tão surpreendente que mesmo as Hivérias ficaram espantadas. Mesmo quando ela ficou bem na frente delas, elas não fizeram nada mais do que olhar para Shea, com seus corpos paralisados de surpresa.

Esse momento de hesitação era o que Hajime estava esperando. As Hivérias restantes tornaram uma boa prática de tiro ao alvo. Quatro disparos ecoaram, e quatro cabeças de Hivéria foram mandadas ao esquecimento.

Foi tudo tão repentino que elas nem sequer tiveram tempo para gritar de dor antes de serem mortas. E assim, quatro corpos sem cabeça caíram no chão. Hivérias eram consideradas ainda mais perigosas do que o Dihedwa que Shea encontrara mais cedo, mas Hajime derrubou o bando inteiro como se não fosse nada. Tendo visto a tal demonstração esmagadora de poder, os homens-coelho ficaram totalmente sem palavras.

Mas os gritos de uma garota familiar os trouxeram de volta à consciência.

— Aaaaaaaaaaaaaaaaaah! Me salve, por favoooor! Hajime-saaaaaaan! — Todos eles começaram a correr rapidamente para onde Shea estava caindo, mas Hajime ultrapassou todos eles facilmente com Steiff e derrapou até parar debaixo do ponto de queda dela antes de pegá-la do ar. Ele então, sem cerimônia, a largou no chão.

— Ouch! Agh, não precisa ser tão bruto comigo, sabia? Eu exijo um tratamento melhor. Quero que me trate tão bem quanto faz com Yue-san. — Com lágrimas nos olhos, Shea começou a protestar pelo tratamento duro. Não era como se Shea tivesse qualquer sentimento romântico particular por Hajime. Ela acabara de conhecê-lo há algumas horas, afinal.

Contudo, o fato de ele ser a “esperança” que ela viu nas profundezas do desespero a levou a ter uma imensa confiança injustificada nele. Independentemente de como ele a tratava bruscamente, ela parecia certa de que ele não quebraria sua promessa. Além disso, Hajime era o mesmo tipo de anomalia que Shea era. Só isso era o suficiente para ela sentir uma espécie de afinidade com ele.

E por fim, ele tratava Yue, que também era uma anomalia como ela, bem carinhosamente. A despeito do pouco tempo que se conheceram, isso tudo era óbvio para Shea. Francamente falando, Shea tinha ciúmes de sua intimidade. Então não era amor, mas apenas um desejo de ser mimada.

Seu curto período como garota coelhinha voadora deixara sua roupa ainda mais esfarrapada do que já era. Ela parecia realmente lamentável, soluçando no chão vestida com nada além de trapos. Talvez eu tenha ido longe demais…, pensou Hajime. Com relutância, ele alcançou sua Arca do Tesouro e retirou um casaco reserva que então deixou cair na cabeça de Shea. Ele estava cansado dela acabar em lágrimas com qualquer coisinha.

Contudo, Shea ficou surpreendentemente satisfeita com o presente. Ela olhou vagamente para ele por algum tempo antes de perceber que lhe dera um casaco, e sorriu alegremente enquanto se envolvia com ele. Era um casaco branco e parecia idêntico ao que Yue usava. Yue costurara esse extra na esperança de fazer Hajime combinar com a roupa dela.

— A-Ah, minha nossa! Hajime-san, devia ser mais honesto consigo mesmo! Me dar um casaco que combina com Yue… Está tentando dar em cima de mim? Bem, lamentavelmente, não sou assim tão fácil. Há uma ordem para essas coisas, sabe? — Shea se balançou de um lado ao outro timidamente enquanto brincava com a bainha do casaco. Sentindo seu aborrecimento aumentar de novo, Hajime puxou silenciosamente Donner e atirou na testa de Shea.

— Hakyun! — A bala que ele disparou estava revestida com um couro borrachento obtido de monstros e estava acondicionada com muito menos pedraplosão. Era destinada para disparos não-letais. Todavia, ainda doía, e Shea se curvou para trás com o impacto antes de cair no chão e rolar envolta de dor, gritando: “Minha cabeça… Minha cabeeeeça!”.

Claro que, sendo tão resistente quanto era, Shea se recuperou rapidamente e começou a protestar calorosamente mais uma vez sobre seu tratamento. Hajime a calou da maneira habitual e todos os homens-coelho começaram a se juntar ao redor de Shea antes que o ciclo pudesse continuar mais.

— Shea! Você está a salvo!

— Pai!

O primeiro a chegar em Shea foi um homem com orelhas de coelho em seus quarenta anos, com um cabelo curto azul-marinho. Embora no que diz respeito ao interesse de Hajime, não havia qualquer valor em pôr orelhas de coelhinho em um cara velho. Ele observou Shea falar com seu pai, percebendo o quão estranho isso parecia na perspectiva de um terráqueo. Uma vez que eles reiteraram que cada um estava seguro, ambos se viraram para o rosto de Hajime.

— Você seria Hajime-dono, correto? Meu nome é Cam Haulia. Sou o pai de Shea e o líder da tribo Haulia. Você tem minha mais profunda gratidão por salvar tanto minha filha quanto o resto de minha tribo. E eu ouvi que você até vai nos ajudar a escapar… Como tanto um pai quanto um líder, simplesmente não sei como te agradecer. — O homem-coelho chamado Cam curvou bem a cabeça quando terminou. Atrás dele, o resto de sua tribo seguiu o exemplo.

— Bem, agradecimento é tudo muito bom e tal, mas não se esqueça, você vai nos guiar pelo mar de árvores depois disso. Além disso, estou surpreso que todos confiam em mim tão facilmente. Pensei que humanos e homens-fera não se davam muito bem… — Ele quase se esqueceu por causa do quão eclética Shea era, mas os homens-fera supostamente eram perseguidos pelas outras raças. De fato, a razão pela qual estavam presos nesse desfiladeiro para começar, era por causa dos humanos. E apesar disso, todos eles estavam curvando a cabeça para Hajime, outro humano, e parecia acreditar verdadeiramente que ele os salvaria. Embora pudesse ser verdade que ele era a única esperança deles nesse momento, ele ainda achava suspeito que eles não pareciam nutrir ressentimento em relação a ele, e que estavam tão facilmente disposto a aceitá-lo.

Cam sorriu desajeitadamente quando respondeu:

KakaSplatT
☦ Death To The World ☦

8 Comentários

  1. Coitada da Shea,foi usada de isca sem nem poder se defender ahahuahuhauhau
    PS: “Hajime derrapou Steiff com apenas uma mão, e assim usou a força centrífuga da curva para arremessar (Steiff) ao grupo de Hivérias voando acima” No lugar da Steiff é a Shea que foi arremessada.

  2. Oi gente, procurando uma novel, nao lembro o nome, e do estilo de cultivo (daqueles q o mc renasce em outro mundo que tem essas paradas e tal), mas quem matou ele na vida anterior tinha sido o mestre dele (pq ele pediu p o mestre dar a filha dele p ele), ai ele transmiga (acho q e esse o termo) para o copro de um cara fraco e tal. O cultivo no mundo la tem os grimorios e a primeira criatura q o mc contrata e uma planta carnivora (querendo q ela se transforme em uma mulher mais tarde, coisa q esta no potencial dela), mais p frente ele consegue uma lamia de 6 braços loli q tb tem um grimorio como criatura contratada. So isso q lembro da novel, se alguem souber o nome…. Grato
    Edit: acho q vi aqui na 3lobos mas acredito q to enganado

      1. Consegui achar, o nome é long live summons! (mais ou menos assim q se escreve), dêem uma olhada, acho que já tem tradutor aq no br (tava acompanhando pela gringa) gostei un pouquinho, quando terminar douluo daluo vu voltar a ler

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
error: O conteúdo deste site está protegido!