DS – Capítulo 12

— Liste os traços característicos da vinha shriet e as propriedades de seus componentes.

— Folhas subuladas com manchas roxas, encontrada com frequência nas árvores tilia autur. Uma seiva pungente, marrom-arroxeada quando cortada. Frutas com formato de cabaça, lima. As folhas fazem um chá aromático, apropriado para descongestionamento das vias nasais e dos pulmões. A seiva pode ser usada como um unguento tópico para assaduras e, quando queimado, o caule espanta uma variedade de insetos e pestes. A fruta é amarga e pode ser comida, geralmente fervida.

— Recomende instruções para aliviar dor nas juntas na parte inferior das costas. Use apenas plantas que não são nativas na vizinhança da nossa vila.

Eu xingo ele na minha cabeça, espantando mosquitos, e quebrando a cuca para achar uma resposta. Taduk sabe que hoje, enquanto nós caminhamos pela montanha, ele tem uma espectadora cativa. Eu não estou sozinho no meu sofrimento. Sua filha, Mei Lin, está conosco também. Ela é um ano mais nova do que eu, outra criança perdida no mundo, com olhos grandes e pele bronzeada, característico do ambiente montanhoso. Ela tem um par de orelhas de coelho caídas que ela precisa constantemente tirar da cara dela, e um grande sorriso perolado. Nós dois estamos sendo enfiados dentro do mundo da colheita de ervas por Taduk. Aparentemente, ele encontrou um platô com uma grande quantidade de plantas úteis e ele precisa de mais mãos para carregar tudo de volta. O homem nunca joga tempo fora. Ele nos pergunta sobre herbalismo e história enquanto estamos indo. É uma boa prática para o meu Comum. Por alguma razão, Taduk não fala com frequência a Língua, como ela é — pretensiosamente, eu admito — chamada.

A caminhada até o platô leva duas horas. Duas horas no calor do final do verão, cada um de nós carregando um arco curto, uma aljava, uma faca de caça, uma variedade de ferramentas para colher plantas e uma grande caixa de herbalista nos ombros. Em vez disso, eu queria levar umas bolsas, mas a minha sugestão culminou em um sermão de meia hora sobre o armazenamento adequado de plantas e viagem. Taduk carrega duas caixas, para que Mei Lin não precise fazer isso. De fato, um pai que mima sua filha.

Quando chegamos ao nosso destino, Mei Lin e eu estávamos os dois exaustos, física e mentalmente. Nós dois sentamos na grama para descansar nossas pernas.

— Rain! De pé! Há uma peste roendo um idamare! Atire nela.

Eu levanto depressa, enquanto me desembaraço das alças de ombro e preparo meu arco. Eu ainda sou horrível nisso, mas você não usa razão com Taduk quando se trata das preciosas ervas dele.

Eu olho para o motivo dos berros de Taduk, e paro. Eu olho para Taduk, incerto de como proceder.

— Você… quer que eu mate isto?

— SIM! Você não está vendo essa coisa escavando as raízes? O idamare não vai crescer de novo se as raízes estiverem muito danificadas.—  Taduk estava ficando cada vez mais agitado.

Eu olho de volta para a peste a qual Taduk quer que eu mate.

— Mas.. é que… Professor… bom…

É um coelho. Um coelho com uma cauda felpuda, orelhas pontudas, nariz de botão. Ele é grande, pesando uns vinte quilos, com dois chifres, mas um coelho de qualquer forma. Agora, eu não tenho problemas em matar o coelho, embora ele seja fofo. Eles são uns pequenos malditos perversos e os chifres deles são pontudos. Eles também são uma delícia com os temperos certos e mal passados. É que… matar o coelho na frente do meu professor com orelhas de coelho e sua filha com orelhas de coelho parece… errado.

Uma flecha acerta o coelho. Bem no pescoço. Eu viro e vejo Mei Lin com seu arco. Ela sorri com expectativa, esperando seu elogio.

— LinLin você é tão bonita e talentosa! Agora, você sabe as regras. Você atirou, então você vai limpar e preparar. Nós o cozinharemos para o almoço. — Taduk acaricia a cabeça dela e se vira para mim. — Por que você hesitou, menino? Você já caçou outros animais antes, disso eu estou certo.

— Eu só… pensei que seria estranho, já que era um coelho, e você é… — Essa não. Ele parece furioso. Ele vai me dar um sermão.

— Você acha que o Meu. Maravilhoso. Eu. Está de alguma forma relacionado com essa… bola de pelos nojenta, cheia de doenças?

Ele se inclina para frente, jogando suas orelhas na minha cara e apontando para elas.

— Olhe para elas. O pelo, negro, lustroso, volumoso. A textura é macia e calorosa, convidativa. A impressão nobre, forte, vigorosa, viris que elas passam. Como você pode acreditar que as minhas adoráveis orelhas, poderiam ter vindo de uma besta como aquela.

Ele se endireita depois de exigir que eu toque nelas, e concordo que sim, elas são macias e lustrosas. Eu digo a ele que seria uma honra ter luvas feitas com seu pelo, para que eu sempre pudesse sentir tal maciez sempre. Ele parece satisfeito com isso, o que eu não esperava. Eu esperava que ele não levasse a sério minha piada. Ele me puxa até Mei Lin, que está ralando para desmantelar o coelho com sua faca de caça. Taduk aponta para a cena sangrenta.

— Meu tolo estudante, atente suas orelhas e lembre-se de minhas palavras. Essa criatura é um coelho bicorne. Olhe para ela. É uma criatura idiota e inútil, cujo único propósito na vida é ser devorada. Nós ficamos aqui discutindo, e ela continuou a escavar por comida, sem qualquer senso de autopreservação. — Ele faz uma careta. — Estes vermes são os inimigos de herbalistas de todo lugar. A sua única qualidade louvável é o nariz, o qual elas usam para achar ervas preciosas e raras, plantas que conseguiram cultivar a Energia dos Céus. Então… ELES AS COMEM! Uma planta rara e preciosa, uma em dez mil! Comida por esses grandes desperdícios de pelo!

A saliva de Taduk está voando por todo lugar. Felizmente, seu olhar penetrante está direcionado ao coelho morto. Descanse em Paz. Pequeno coelhinho. Ele não pode te machucar agora.

— Você nem ao menos pode domesticá-lo para encontrar ervas para você. Uma vez capturados, os pequenos idiotas vão tentar dar cabeçadas ou chutar para escapar da jaula, até esmagar a própria cabeça ou quebrar as próprias costas. Mesmo que um desses aborrecimentos conseguisse viver por um milhão de anos, ainda não conseguiria assumir forma humana. Para você me confundir como um deles… posso ser generoso, mas eu exijo desculpas! Ajoelhe-se.

Eu ajoelho e curvo a cabeça para meu professor, testa tocando o chão. Parece que eu toquei em algum taboo.

— Eu peço perdão pelo erro da vida deste discípulo. Eu imploro pelo perdão e indulgência de meu Professor, e peço que ele continue a me educar no conhecimento da sua gloriosa magnificência. — Eu estou meio sério. Ele pode realmente parar de me ensinar por causa disso. Eu nunca vi ele tão furioso. Perto de nós,  Mei Lin começa a rir.

Taduk bufa. Então ele me levanta pelos ombros e limpa a sujeira em mim.

— Não há necessidade de ir tão longe meu garoto. Um erro simples. Tudo está perdoado. Águas passadas. Não precisa exagerar. Apenas lembre que seu professor é da linhagem da mais ilustre das criaturas, uma Lebre Caçadora de Nuvens. — Eu podia ouvir as letras maiúsculas  em suas palavras. Seus olhos estavam quase brilhando. — Um animal lindo, brilhante, lustroso, o qual desde o nascimento consegue manipular as Energias Celestiais. Eles atravessam os céus, sem medo, caçando qualquer criatura, besta ou pássaro, que for infeliz o bastante de atrair sua atenção. Eles são tão velozes que nenhuma criatura sob o céu é capaz de escapar.

Eu me encolho por dentro. Meu professor é um Supremacista das Lebres. Taduk continua a exaltar as virtudes da Lebre Caçadora de Nuvens, enquanto denigre todos os outros tipos de coelhinhos. Eu tomo nota disso tudo. Eu rezo para a Mãe de Todos que ele não me faça um questionário sobre essas coisas. Eu percebo que Mei Lin tem o mesmo tipo de orelhas, negras e com um pelo grosso. Os dois podem ser realmente parentes consanguíneos. Irmãos talvez, se eles compartilham a linhagem da mesma besta ancestral. Isso é uma coisa boa se for verdade. Eu me pergunto quais são as chances.

Mei Lin grita, com uma das piores atuações que eu já vi:

— Papai, eu cortei meu dedo. — Por que ela está fingindo estar ferida?

Taduk parou no meio do sermão ao ouvir aquilo. As palavras mal saíram da boca dela, e ele já estava ao seu lado. Ele gesticulou para mim, me impelindo para vir dar uma olhada.

— Um pequeno corte, minha pequena Linlin, não precisa choramingar. Venha, mostre a Rain o quão corajosa você é com um grande sorriso. Garoto, eu vou demonstrar para você como se cura. Você ainda não consegue manipular a energia celestial, mas é melhor começar a entender o conceito desde cedo. — Taduk põe sua mão sobre o dedo, cobrindo ele. Ele murmura baixinho e fica parado por poucos segundos.

— Aqui. Você viu garoto? Seus pensamentos? Perguntas ?

Mei Lin olha para mim e sorri novamente, como se ela tivesse motivo para estar orgulhosa.

— Isso foi incrível, Professor.—  Eu elogio ele usando a minha melhor voz impassível.

— De fato foi. Curar usando energia celestial requer o auge da maestria. Me deixe explicar para você.

— Eu estou começando a suspeitar que isso foi um estratagema para me dar um sermão.

Ele me ignorou, parecendo até que eu não falei nada. Ele era muito bom nisso.

— A energia celestial está ao nosso redor. É invisível, intangível e inesgotável. Ela vem em muitas formas naturais, explodindo das veias celestiais na terra, ou expelida pelas sempre inflamadas chamas celestiais. Pode ser espalhada pelos ventos celestiais ou estar congelada dentro das águas celestiais. Ela entra em nosso mundo, e o preenche, uma fonte constante de poder dos Céus!

Ele me afaga no braço.

— Você ainda não alcançou o Estado de Equilíbrio. Mas eu sei que você vai conseguir eventualmente. Eu também sei que você é um cético. Duvidar está na sua natureza. Você prefere verificar tudo que eu te digo, por sua conta, não é? Você não precisa poupar meus sentimentos, sua falta de confiança em seu professor só me causa algumas noites sem dormir enquanto eu choro. A confiança da minha linda filha é tudo que eu preciso.

— Eu confio em você, Papai!

— E Papai te ama por isso, minha preciosa pequena Linlin. Agora aonde eu estava? Ah sim. Quando você alcançar o Estado de Equilíbrio, você vai começar a assimilar a Energia Celestial. Ela vai sustentar o seu corpo, te fará mais forte, mais rápido, mais esperto e mais saudável. Permitirá você a ver mais longe, segurar o fôlego por mais tempo, e correr mais rápido do que seria humanamente possível. Mas isso, meu garoto, é o uso mais básico da Energia dos Céus.

Ele me cutuca no peito, repetidamente, enquanto diz. — Através da assimilação da Energia Celestial e tornando ela sua, você a transforma. Você a marca com a sua própria essência e ela vira Energia Interna, ou Chi. Uma vez que ela for sua, você pode usá-la de incontáveis maneiras. Você pode manipular o seu Chi para atacar e defender, fortalecer suas armas, realizar incríveis façanhas de força e agilidade. Com esforço você irá aprender a curar suas próprias feridas, não apenas cortes e hematomas, mas até membros perdidos e órgãos. Você até poderia emular a mais majestosa de todas as criaturas, e correr pelos céus como uma Lebre Caçadora das Nuvens.

Minha mandíbula não pode cair mais do que isso. Eu pensei que tudo que isso faria era me permitir socar mais forte.

— E sobre manipular os elementos? Conjurar o vento e chuva, lançar fogo e raio?

Taduk me deu um olhar malicioso.

— Possível, mas extremamente difícil. Mais difícil do que curar os outros, e eu já mencionei o quão difícil é fazer isso. — Taduk acena com desdém. — Chega desse assunto por hoje, meu garoto. Sua mente foi aberta. Reflita sobre isso. E cozinhe o coelho. Você deve ter aprendido alguma coisa do Charok. Nós temos trabalho a fazer, eu e a pequena Linlin. — Ele vai embora, levando Mei Lin com ele para colher o que ele precisa.

Eu começo a cozinhar, com a mente cambaleando com toda a informação que Taduk acabou de jogar em mim. Eu reviso tudo que ele disse sobre o assunto. Eu mal posso esperar para estar em casa e meditar. Passam pelos meus olhos visões de mim voando pelos céus, fazendo chover fogo e enxofre nos meus inimigos.

 

Eu vou ser um mago porradeiro.

Worst
Worst, filho da Música, casado com os Livros, tradutor de DS, CdMD e ASdCZ, ?% Engenheiro, 1 dos 3

10 Comentários

  1. Agora ele tem um motivo pra fazer a meditação, jogar fogo e raios por onde passar como um grande mago
    mago > guerreiro em questão de encenar ser foda, só encenar pq ser ou não depende da pessoa

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
error: O conteúdo deste site está protegido!