LdL – Capítulo 19

O Baile de Andraris

[Autor: JS Dantas] [Revisor/Editor: Mini/Lyn]

Os dois últimos dias de preparação do baile foram uma loucura, vários criados corriam de uma lado para o outro organizando as decorações a mando de um nobre menor vindo da capital. Ele gritava, quase latindo como um cachorro, incontáveis ordens para qualquer empregado que ouvisse, enquanto corria de um lado ao outro do salão conferindo mesas, flores e todo o tipo de pormenores referentes a grande noite.

Eu observava toda aquela confusão junto com Liz que vez por outra aproveitava pra rir do desespero do mestre de arranjo.

— Sendo a Duquesa, não deveria ser você a responsável por organizar a festa?

— Geralmente sou eu, mas esse ano Aurora resolveu mandar um “especialista” da capital, pois ela e os demais nobres vão participar.— Liz revirou os olhos em desagrado.

— Ela está ficando cada vez mais atrevida… — Elizabeth me deu um olhar malicioso e então completou. — Não deixe isso te desanimar viu, hehehe — finalizou dando uma risadinha sarcástica e uma piscadela.

— O que você quer dizer com isso!? — acabei corando um pouco e rapidamente procurei mudar o foco do assunto — E quanto aos músicos? Sabe se vai ter algo especial?

— A mesma coisa de sempre, a diferença é que quem irá tocar será a Orquestra sol escarlate, a “melhor do reino”, segundo o engomadinho alí. — ela apontou com o queixo deixando claro seu descontentamento — Mas, por que o interesse?

Eu estufei o peito com um sorriso e falei:

— Bem, eu gostaria de te dar um presente, na verdade, um presente para você e a Charlotte. Só preciso que alguém leve o piano da salinha no final do corredor da área oeste.

— Aquela velharia? — Ela me olhou confusa.

— Não, minha querida professora, aquela maravilha… Apenas consiga isso pra mim, te prometo que não vai se arrepender. — Elizabeth me olhou desconfiada, e em seguida deu um sorriso.

— Tudo bem, só espero que você não esteja planejando nenhuma travessura.

— Nossa… Essa doeu, se fosse você quem fizesse o pedido ai sim alguém poderia desconfiar de travessuras. — rebati.

— Ora seu… — Liz levantou a mão para me esbofetear, automaticamente me encolhi para receber o tapa, mas, ao invés disso sua mão pousou suavemente em minha cabeça, quando olhei novamente ela estava sorrindo, um sorriso caloroso e verdadeiro — Sabe James, te ver tão a vontade assim me deixa extremamente feliz…

A Duquesa me puxou para perto me abraçando calorosamente. E eu respondi com um aperto caloroso e longo.

Depois de um tempinho ela se afastou, uma das servas se aproximou da Duquesa com uma caixa pequena e retangular.

— Vossa Alteza, Senhor — a moça nos comprimentou e deixou a caixa com Liz.

Liz abriu a pequena caixa e disse com um sorriso de aprovação:

— Ora ora, ficou muito bom, veja sua máscara chegou. — A duquesa me entregou a caixa e eu pude ver que o artesão acertou tudo até nos mínimos detalhes.

A máscara tinha o formato de um lobo que cobria todo meu rosto deixando apenas meus olhos amostra, branca com entalhes que lembravam o pelo da fera, sendo ressaltado pelo tom de azul que se espalhava do centro da máscara. Tons escuros ressaltavam o focinho, olhos e orelhas dando um belo contraste ao resultado final.

— Ficou perfeita Liz, obrigado. — falei enquanto fechava a caixa — Eu vou indo, não esqueça de pedir para alguém trazer o piano.

Diferente do que eu havia imaginado, a exposição da nova linha de roupas de Charlotte não foi feita em um palco com modelos desfilando, longe disso. Com exceção das modelos o restante estava longe do que eu imaginava.

As modelos caminhavam por entre os convidados usando a nova linha de Charlotte que era composta por vestidos justos e variados, o que estava em completo contraste diante dos vestidos balões com espartilhos e decotes avantajados de algumas damas que cercavam as modelos entusiasmadas.

Os cavaleiros usavam belos smokings pretos por cima de coletes variados, alguns se apoiavam em bengalas das mais diversas formas e cores, alguns poucos fumavam cachimbo. Era como entrar em um filme da época vitoriana.

Em contraste, os modelos masculinos usavam algumas roupas de couro e jeans rasgados, certamente faria sucesso com os jovens em alguns anos, mas os atuais cavaleiros olhavam essa nova moda com certa resistência e sempre torciam o nariz em desagrado quando viam uma nova peça masculina.

Era como ver duas eras em conflito bem diante dos meus olhos. Só faltava algumas engrenagens e máquinas a vapor para eu me sentir totalmente dentro de um filme Steampunk.

Elizabeth entrou no salão acompanhada de Charlotte, ambas usavam vestidos deslumbrantes.

O vestido de liz era completamente branco com contornos bordados em preto que lembravam uma teia de aranha, as mangas do vestido seguiam até seu pulso. Já Charlotte usava um azul escuro com pequenas pedras transparentes que ao serem atingidas pela luz pareciam emitir uma fraca luz azulada.

Diferente das demais damas que usavam saia balão, a roupa de ambas tinham um corte na coxa, que permitia a saia ficar mais colada ao corpo, o que facilitava muito a movimentação. O truque era deixar isso transparecer para que todas as demais damas ficassem loucas para terem um.

Acho que não importa o mundo, mulheres sempre vão amar essas coisas. — Falei reservadamente com um sorriso suave.

— Não olhe demais, não é porque hoje o lugar está cheio de damas bonitas que você pode ficar encarando… Vou acabar ficando com ciúmes — alguém falou baixinho em meu ouvido por trás.

Eu dei um salto para o lado com o susto, ao olhar para quem me assustou, vi que era minha bela Luna.

Ela deu uma risadinha e me deu um beijinho na bochecha. Seus lindos cabelos negros quase se misturavam com o belo vestido azul escuro. Ele estava completamente incrustado com jóias que brilhavam como estrelas.

— O que? Não não… Por que você… — Eu falei todo abobalhado, Luna colocou uma das mãos na frente da boca para abafar o risinho.

Torci os lábios tentando fazer uma cara de zangado, mas logo comecei a rir baixinho junto com ela, aquele sorriso meigo era irresistível.

 Luna arrumou o cabelo que recaia por cima de sua máscara preta. Diferente das outras, essa parecia ser uma peça tecida, alguns fios mais grossos compunham a borda e outros finos teciam pequenos detalhes que lembravam pequenas estrelas num bordado que realçava ainda mais sua beleza.

A princesa me pegou pela mão e me levou para junto das garotas. Algumas pessoas nos olhavam torto e outras cochichavam. Eu sabia do que falavam, a princesa está com um novo caso ou qualquer merda do tipo.

— Está realmente tudo bem para você? — resmunguei cabisbaixo.

Luna parou por um momento e me olhou nos olhos.

— Se eu tivesse algum problema ou quisesse esconder meus sentimentos nós não estaríamos aqui — ela gentilmente retirou minhas máscara e acariciou minha bochecha para logo em seguida me dar um leve beliscão no nariz.— Deixe de se importar com o que os outros pensam, meu querido, nossas vidas só dizem respeito a nós mesmos.

— Eu sei, mas é que você é uma princesa e eu sou só um… — Luna levou um dos dedos aos meus lábios me fazendo calar.

— Já falei que nada disso importa, vamos às meninas estão nos esperando.

Luna sorriu calorosamente enquanto me segurava mais firme do que antes, como se falasse que não me deixaria escapar, eu apertei sua mão macia em resposta, arrumei minha máscara e seguimos até às garotas.

Elizabeth me olhava orgulhosa como uma mãe quando vê o filho marcando um golaço.

Logo um homem baixinho que parecia ser o anunciante gritou da porta do grande salão de festas:

— Saúdam sua Majestade, Aurora Orléans de la Solvitur Penthangost, senhora dos cinco ducados e governante suprema de Solaris.

Vários dos nobres menores correram tomando posição na entrada do salão para melhor reverenciar a Rainha. 

Aurora caminhou por entre eles de maneira solene, a cauda de seu vestido dourado era tão magnífica que parecia deixar um rastro fluorescente quase que ilusório por onde passava.

Seus lindos cabelos estavam presos por um broche em formato de rosa vermelha. Seus olhos azuis como o céu observavam através da bela máscara dourada com contornos negros.

A rainha estava acompanhada de diversos cavaleiros, porém, dentre eles, um se destacava.

Ele era muito mais bem aparentado que os demais e usava uma grande jaqueta vinho com contornos negros, as mangas da jaqueta terminavam em um belo babado preto rendado, tanto sua calça como a camisa que usava por baixo da jaqueta eram negros. Ele se apoiava em uma bela bengala escura com o castão prateado em forma de cabeça de águia.

Sendo mais preciso, era como se apenas ele fosse digno de estar verdadeiramente ao lado da rainha. Todos os demais eram como sombras que a rodeava e apenas ele fosse verdadeiro.

Liz e Charlotte fizeram uma pequena reverência juntamente com o restante dos convidados que viram sua Majestade.

Elizabeth tomou a frente no salão e anunciou.

— Agora oficialmente começaremos nosso tradicional e querido baile de Adraris. Nesse ano fomos agraciado com a ajuda de nossos colegas da capital, assim como a presença de nossa amada Rainha — uma das sobrancelhas dela tremeu — Aproveitem para se deliciarem com o banquete, com a boa música e é claro com os mais belos e adoráveis vestidos da nossa grande tecelã Charlotte.

Liz fez um gesto com a mão e logo a orquestra começou a tocar, os convidados voltaram a conversar e um pequeno montinho se formou ao redor da rainha.

JS Dantas
Entusiasta de RPG, mestre sem coração, escritor nas horas vagas, compromissado com seus deveres e amante da boa leitura.

9 Comentários

    1. em relação a quais acontecimentos? kkk Depois do cap 20 eu quero só ver os comentários de vocês huehuehue

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
error: O conteúdo deste site está protegido!