LdL – Capítulo 2

Duquesa

[Autor: JS Dantas] [Revisor/Editor: Mini/Lyn]

— Todos os preparativos para receber Sua Majestade, Aurora, estão prontos, Vossa Alteza. — falou um senhor bigodudo e de rosto fino. Ele usava um blazer preto com gravata borboleta e suas mãos estavam envoltas por luvas brancas. Era o perfeito uniforme de mordomo.

— Obrigada, Kírkart — disse uma jovem de cabelos lilás. Ela possuía um pequeno chifre arredondado na testa que separava perfeitamente sua franja — Diga aos demais servos que devem comprir todos os desejos da Rainha, contanto que não firam a privacidade da Princesa.

— Entendido. — o mordomo fez uma reverência e se retirou.

Já é a quarta vez esse mês que ela nos visita. Até quando a Rainha pretende forçar isso? Pensou a garota enquanto observava uma carruagem luxuosa, puxada por dois lindos cavalos brancos, que se aproximava da entrada do palácio.

A carruagem estava sendo escoltada por uma dúzia de cavaleiros equipados com armaduras ornamentadas e imponentes. Assim que a delegação parou em frente às escadarias, dois cavaleiros desmontaram de seus cavalos e abriram a porta para a Rainha desembarcar.

Aurora desceu da carruagem e caminhou até a garota, cada passo, cada gesto carregava uma imponência majestosa. Ela possuía cabelos longos e volumosos até a cintura, com fios multicoloridos como os primeiros raios de luz no céu. Usava um vestido branco e longo justo ao corpo, seus olhos eram azuis e belos como duas safiras.

— Esse lugar continua deprimente como sempre, Duquesa Elizabeth — Disse a rainha olhando em volta com desdém — Quem sabe uma nova administração não caia bem aqui? — Finalizou Aurora com um tom sarcástico.

— Quem sabe se Vossa Majestade não nos visitasse toda semana, nós poderíamos organizar melhor o lugar? — Elizabeth respondeu em tom zombeteiro encarando a rainha — Quem sabe talvez uma nova ala onde você possa desperdiçar mais um dia esperando para ver sua irmã? Que definitivamente não deseja vê-la.

Dois guardas imediatamente ameaçaram sacar suas espadas, mas Aurora os deteve com um aceno de mão.

— Esse tipo de desaforo seria o suficiente para fazer sua cabeça rolar, duquesinha — Aurora cerrou os dentes e disse baixinho enfatizando cada palavra — Assim como aquele imundo que maculou minha irmã, um dia você também encontrará seu fim. 

De súbito a fúria tomou conta da Duquesa. Sua energia transbordava de maneira ameaçadora enquanto encarava Aurora, que por sua vez, a olhava com um ar de desprezo e arrogância. Os guardas sacaram suas espadas em resposta à aura hostil.

— Já chega! — Vociferou alguém atrás da duquesa fazendo com que os guardas abaixassem as armas imediatamente e se curvassem sobre um dos joelhos — Acho que você já importunou demais a minha pupila, irmã.

Uma linda mulher de cabelos negros e pele castanha caminhou até o lado da Duquesa e a tomou em seus braços.

— Liz, não caia nas provocações dela, ela só quer um motivo para lhe castigar de acordo com suas leis — a mulher fitou friamente Aurora — Você sabe que eu não quero que você me visite. Se veio aqui para tentar me levar de volta para a capital, a minha resposta continua sendo a mesma.

— Você prefere viver aqui no meio desses caipiras e mestiços do que no conforto do castelo? — A compostura de Aurora mudou completamente, ela falava macio e devagar com a irmã, como se falasse com uma criança — Vamos irmãzinha, deixe essa birra de lado, volte comigo Luna.

— Você não é bem vinda aqui — Luna ignorou sua irmã e se virou, voltando para dentro do palácio. Ao ver o desprezo de sua irmã, Aurora explodiu.

— Eu ainda sou sua rainha e você não pode me impedir de vir aqui! — Aurora perdeu toda sua compostura — Lembre-se que eu posso destituir sua protegida quando eu bem entender.

A princesa parou abruptamente, seus olhos ardiam em desprezo pelas ameaças vis da irmã.

— Você não pode ameaçar Luna dessa maneira — Elizabeth falou virando-se para a rainha — Esse tipo de abus…

— Liz, querida — Luna a interrompeu — Não se preocupe, eu irei falar com minha irmã — Ela falou com ternura, mas a duquesa conseguia ver que a princesa lutava para manter as aparências. — Vamos resolver isso no meu quarto.

Luna seguiu para o interior do palácio seguida de Aurora e seis de seus guardas.

— Me desafie mais uma vez e será ela quem irá pagar por seus erros — Aurora sussurrou enquanto passava ao lado da Duquesa.

O sangue de Elizabeth gelou. Seu relacionamento com Aurora nunca foi agradável. Depois que o irmão de Liz morreu, Luna decidiu acolher e confortar a garota.

A princesa e o irmão de Liz mantinham um lindo relacionamento, só de ver o amor dos dois enchia o coração da pequena duquesa de felicidade. A perda dele foi um choque para as duas. Aurora nunca aceitou o relacionamento de Luna e consequentemente não aceitava o fato da irmã acolher e proteger a irmã do homem que ela desprezava.

Liz não poderia deixar que o ódio da Rainha contra ela atingisse Luna, ela havia prometido para si mesma proteger sua querida mentora e irmã de consideração.

Aos poucos, Elizabeth foi recuperando sua calma. Afinal, não havia nada que ela pudesse fazer agora.

— Kírkart — Ela bateu as mãos e logo em seguida, o mordomo apareceu ao seu lado — Por favor, peça para prepararem meus materiais de estudo e treino no jardim Oeste.

A duquesa caminhou pelos jardins, melancólica, as palavras da Rainha continuavam ecoando em sua mente.

Quem essa serpente pensa que é para nos ameaçar assim ? — A simples lembrança do ocorrido fazia seu sangue ferver, ela apertava as mãos com tanta força que os nós de seus dedos ficaram brancos — Ela não pode abusar de Luna assim, ser uma Rainha não é apenas colocar terror no coração daqueles abaixo de você… Se ao menos Seradin ainda estivesse aqui… A lembrança do irmão a reconfortava.

 Minha pequena tulipa, nunca deixe que o ódio nuble sua mente, sua visão deve ser sempre limpa e clara — as palavras do irmão a revigorava aos poucos — Não caia nas armadilhas da ira, nem no falso poder da raiva, apenas seu coração e a vontade de proteger quem você ama são o verdadeiro poder.

Lembrando das palavras de Seradin, Elizabeth foi se acalmando e retornando a serenidade habitual. Ela chegou na mesa de treino e viu todos os tipos de materiais para treinar suas habilidades.

A duquesa observou a torre oeste do palácio onde ficavam os aposentos de Luna.

— Espero que esteja tudo bem com ela. — disse baixinho.

Elizabeth passou às próximas duas horas praticando sua esgrima e técnicas de invocação. Quando parou para fazer uma pausa a duquesa notou uma estranha energia acima do bosque próximo ao jardim.

A duquesa logo pegou um dos objetos que estavam sobre a mesa, um retângulo de uns quinze centímetros com um buraco circular no meio. Ela concentrou sua soma no objeto e uma camada de energia se formou no buraco como uma lente.

Ao apontar a lente para o topo das árvores era possível ver um rasgo no céu que era imperceptível ao olho nú. Era como ver um tecido sendo rasgado por mãos, vários fios rompidos se penduravam nos lados rasgados.

De repente, um vulto atravessou a fenda caindo nas árvores, mesmo estando relativamente longe Liz pode ouvir os galhos sendo rompidos graças à força do impacto.

O estado de inércia da garota foi subitamente quebrado por um sentimento de ansiedade em seu peito. Ela correu em direção às árvores, os galhos dos arbustos rasgavam suas roupas e arranhavam sua pele, mas nada disso parecia abalar sua determinação.

Ao chegar no local da fenda, a duquesa viu um estranho garoto preso entre alguns galhos baixos. Ao se aproximar ela notou que o rosto do rapaz sangrava muito e suas roupas estavam destruídas. Vários hematomas eram visíveis por seu corpo.

Isso é sério! — pensou Liz — preciso levá-lo daqui o mais rápido possível… Essas feridas…

— Algo errado, Vossa Alteza? — dentre os arbustos surgiram dois homens de pele avermelhada, portando arcos e usando roupas simples. Eles carregavam alguns coelhos amarrados pelos pés em suas cinturas. Eram os caçadores do palácio. Eles também viram o rapaz machucado — pela deusa, o que houve aqui?

— Tirem ele dali rápido, não temos muito tempo! — ordenou a duquesa. Os caçadores pegaram o jovem dos galhos apressadamente. — Um de vocês, corra para o palácio e mande preparar uma cama e suprimentos médicos. Chame o doutor e o mande se preparar, digam que é uma emergência.

O caçador acomodou o jovem em suas costas e o levou com cuidado ao lado da Duquesa. Ao passar pelas árvores Elizabeth notou um dos criados de Aurora observando tudo de longe.

— Droga! — amaldiçoou.

Chegando ao palácio todos os preparativos já tinham sido feitos. O médico e seus assistentes começaram a trabalhar de imediato. Se a duquesa tivesse demorado mais uma hora, ele provavelmente não resistiria.

 

 

— Vossa Alteza, atualmente ele está fora de perigo, mas devo lhe dizer que nunca vi um jovem como ele antes. — Falou o doutor — Ele não possui nenhuma das características das três raças… Devo dizer que ele é um mestiço único.

 Elizabeth revirou os olhos… Tratar os mestiços como objetos era típico de Lanianos como ele. No geral os mestiços eram apenas vistos como mão de obra barata ou peões descartáveis em um campo de batalha.

— Muito bem senhor Tupin. Já que o garoto está fora de perigo seus serviços não são mais necessários. — Liz fez um gesto com mão para que o médico se retirasse, como se espantasse uma mosca.

— Doutor, Vossa Alteza — Uma jovem garota com roupas de enfermeira correu na direção dos dois ofegante. — o paciente acordou.

JS Dantas
Entusiasta de RPG, mestre sem coração, escritor nas horas vagas, compromissado com seus deveres e amante da boa leitura.

35 Comentários

  1. Um buraco de minhoca na sacada que levou pra um mundo paralelo onde tres raças erscravizam o menos afortunados…..
    Obrigado pelo Capitulo

  2. Buguei um pouco sobre quem e quem no caso: Luna – e a princesa e irmã da Aurora q é a rainha já a Elizabeth – e a duquesa já esse Seradin e irmão de quem? E como quem ele tinham se desenrolando pra ter causado essa raiva da rainha?

    1. A rainha é Aurora.
      Luna é a irmã de Aurora.
      Elizabeth é a Duquesa.
      Seradin é o irmão de Elizabeth.
      Pelo menos foi isso que entendi…

      1. Hmm ths, o q realmente me incabula e essa briga q a rainha e a princesa tem, muito estranho agr e esperar o próximo cap

        1. Poxa veio foi mal a confusão, tentei deixar o menos confuso possível.
          Luna e Seradin eram um casal, a Aurora era puta com ele.

    1. 100% tupiniquim.
      Cê fala das frescuradas e clichês de todas as garotas se apaixonarem pelo mesmo cara e daquelas poses doidas?
      Se for então ta safe kk

          1. Te entendo e compartilho teu ódio mas, me referia ao estilo protagonista, não me toque, não ao gênero da obra.

  3. Nem cheguei e já espero a morte da rainha
    Vai ter o quê, um motivo maior que “justifique” a exploração, como o clássico: “um inimigo maior que o grande mal”

  4. Essa forma de ir para outro mundo foi boa, estou começando a ficar enjoada do “morreu reencarnou tipico”.

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
error: O conteúdo deste site está protegido!