LdL – Prólogo

Prólogo

[Autor: JS Dantas] [Revisor/Editor: Mini/Lyn]

O sol banhava as colinas verdejantes e as flores, de todos os tamanhos e formas, reluziam em tons multicoloridos. Uma linda moça se abrigava sob a sombra de um grande carvalho solitário. A brisa fresca parecia brincar com seus longos cabelos negros.

Logo, senti um toque suave e único. As folhas do grande carvalho farfalhavam em uma bela melodia orquestrada pela brisa. A moça parecia querer me dizer algo com um olhar amoroso. Pude perceber suas feições mudando da serenidade da manhã para uma pesada preocupação.

De repente, ao me virar, cai ofegante no chão lamacento de uma cidade que queimava com as chamas da guerra. O sino da igreja badalava ao longe sinalizando a invasão da cidade. Pessoas gemiam e gritavam de medo a minha volta enquanto bolas de fogo voavam, acertando casas, choupanas, e as muralhas. 

Corri em meio aos escombros a procura da moça com quem estava momentos antes. Por alguma razão sentia em meu peito a urgência de encontrá-la. Meu coração parecia querer sair pela boca, em agonia.

Pude ver corpos espalhados de todos os tipos e tamanhos, largados em becos e por vezes até mesmo aos pedaços. A cada novo corpo que via tinha esperanças em não encontrar o corpo dela. 

Correndo pelos becos e vielas, vi ela fugindo de meia dúzia de guardas. Meu coração gelou e minhas pernas se moveram por instinto.

Saindo da viela, vi a garota cercada por seis cavaleiros usando armaduras negras, elmos fechados e um tipo de capa vermelha cobria às costas deles. Por um instante ela me viu, tudo o que eu conseguia ver em seus olhos de mel era medo.

— Afastem-se dela! — Os cavaleiros se viraram para mim e sacaram suas espadas. Quatro deles correram em minha direção enquanto os outros dois se ocuparam de amarrar e levar a garota.

Disparei contra meus inimigos encurtando a distância rapidamente, o primeiro cavaleiro desferiu um golpe horizontal, inclinei meu corpo para trás deslizando de joelhos por debaixo da lâmina do adversário, girei nos calcanhares e o chutei na lateral do tornozelo fazendo-o cair, torci seu pulso roubando sua espada e a fincando em suas costas.

Dois cavaleiros atacaram em sequência, o primeiro desferiu um golpe em arco mirando meu peito, desviei com um giro para a esquerda enquanto bloqueava a estocada do segundo. Um terceiro inimigo aproveitou a abertura e me atingiu na panturrilha esquerda, uma dor aguda percorreu toda minha perna.

Cerrei meus dentes suportando a dor, girei na perna direita golpeando o primeiro cavaleiro na jugular. Em seguida dei uma meia cambalhota para a esquerda acertando o tendão de um dos pés do terceiro inimigo fazendo-o cair no chão lamacento.

Com um impulso me ergui rapidamente para dar o golpe final no cavaleiro, mas acabei perdendo o equilíbrio ao me apoiar no membro ferido, dando uma abertura para um dos meus oponentes me derrubar com um chute na perna.

Meu ombro esquerdo queimou no momento em que a lâmina atravessou minha carne. O segundo cavaleiro retirou a espada ensanguentada lentamente saboreando minha agonia e finalizou com um chute no meu queixo, o mundo girou e minha face foi de encontro a lama. 

Meus braços e pernas estavam pesados como chumbo, sentia o calor do meu sangue quente cobrir meus membros feridos, e uma dor lacerante vinda dos cortes. Usei toda a força que me restava para me levantar. Antes que pudesse sair do chão alguém pisou em minhas costas me fazendo desabar. Pude ver o cavaleiro negro me forçando contra o solo como se esmagasse um verme.

— Parem! – gritou a moça — Eu seguirei vocês, por favor deixem-no ir — ela me olhou com seus grandes olhos cor de mel com ternura — Por favor meu amor, viva, viva e lembre-se de mim.

Apesar da dor e do cansaço, forcei meu corpo em um esforço vão de me libertar. Estiquei meu braço na tentativa fútil de alcançá-la, eu gritava seu nome, mas nenhum som saia da minha boca.

A última visão que tive foi dela sendo levada por aqueles cavaleiros negros, ela mais uma vez estava sendo tirada de mim.

JS Dantas
Entusiasta de RPG, mestre sem coração, escritor nas horas vagas, compromissado com seus deveres e amante da boa leitura.

30 Comentários

  1. Meus parabéns pela escrita, tá ótimo.
    Sei que só vai melhorar também. Continue firme, fico curioso pra ver como vai se desenvolver a história. ♥

  2. Um bom começo, li a sinopse e parece a vai ser um isekai, agora me pergunto se esta é a vida q o prota vai tomar ou apenas o passado do prota.
    Obrigado pelo capítulo e q comece uma bela história!

  3. Até dei uma puxada na perna no momento em que cortaram a panturrilha, senti a dor pelo prota.
    Obrigado pelo capítulo

  4. O início é bem interessante, apesar de não entender como foi que essa desgraça toda começou do nada kkk
    Vou dar uma chance e tanta arranjar um horário pra ler

  5. Valeuu, ficou bem daora, n ta rushado e o prota n saiu matando geral aleatoriamente com uma força sem explicação nenhuma 🙂

      1. Foi por uma boa razão
        E o melhor de tudo: voltou antes do mundo acabar! E o mundo já estava quase acabando…

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
error: O conteúdo deste site está protegido!