LAB – Capítulo 176

A resposta que vem do coração

Após ficar suspenso no ar por mais ou menos uma hora, o balão de ar quente aterrissou lentamente no quintal do castelo.

O balão de ar quente chamou a atenção de todas as bruxas após aterrissar. Antes, somente Rouxinol estava ali sozinha esperando por eles, mas agora quase todas as bruxas da União estavam ali. Até mesmo Pergaminho, que estava na Prefeitura trabalhando, veio correndo ver o que estava acontecendo. Ela olhou para o céu preocupada após saber o que estava se passando, temendo que o balão de ar quente pudesse cair do céu.

Pergaminho e Wendy se aproximaram de Roland assim que ele saiu do cesto, admoestando ele para não correr riscos. Depois de apaziguar um pouco as duas, o Príncipe sabiamente mudou de assunto para o balão. Rouxinol achou tudo isso um pouco engraçado e quando ela estava prestes a ir receber Roland, ela ficou parada no chão, sem se mexer. Ela viu Roland ajudando Anna a sair do cesto. Seus olhos azuis estavam brilhantes, um sorriso desabrochou em seu rosto e havia um leve rubor em suas bochechas. Um grampo de cabelo brilhante estava cuidadosamente prendendo a franja de seu cabelo para o lado.

Rouxinol se lembrou que este grampo de cabelo provavelmente foi feito do lingote de prata que Roland tinha pego vários dias atrás, quando ele estava instruindo os ferreiros a operar aquelas máquinas grandes.

Será que Sua Alteza fez pessoalmente esse grampo de cabelo? — Rouxinol pensou.

Por outro lado, as outras bruxas estavam ansiosas, pedindo para dar um passeio no balão de ar quente. Não muito tempo depois, o balão se expandiu novamente, dessa vez levando Anna e Nana.

Rouxinol ficou longe da multidão, observando o balão de ar quente ficar menor e menor em estado de choque. Em sua mente só havia aquela imagem do sorriso doce de Anna.

Geralmente, Anna era calma e inexpressiva, logo, este tipo de expressão era bastante rara de ver em seu rosto. Rouxinol estava muito familiarizada com essa expressão quando ela estava viajando com a Associação Cooperativa das Bruxas. Ela sabia o que significava. Roland, obviamente, não foi apenas apreciar a bela paisagem com Anna no balão de ar quente. Com Raio e Maggie ao redor, eles não fariam…, mas era difícil suprimir essa ideia, assim que apareceu em sua mente. Ela sentiu como se houvesse um buraco dentro de seu coração e uma mão apertando sua garganta.

Apesar de ter decidido aceitar isso em seu coração de forma resoluta, Rouxinol descobriu que era muito mais fácil falar do que cumprir. Vendo que todo mundo estava feliz e o burburinho não parava, sua mente ficou totalmente em branco. Então, ela foi até um canto e sentou com as costas na parede.

O balão de ar quente desceu novamente. Ramos aproveitou a oportunidade e subiu dessa vez, assim que Nana desceu do cesto. Roland já tinha ido embora quando Rouxinol voltou a si.

Depois de ouvir Pergaminho, ele deve ter ido voltar ao trabalho. — Rouxinol pensou.

Ela deveria segui-lo como sempre fazia, mas quando ela se levantou, Rouxinol sentiu que era difícil para ela dar um passo adiante. Ela realmente não sabia como enfrentar Roland neste momento, mesmo sabendo que ele não poderia vê-la em seu mundo de névoa. Entretanto, Rouxinol sabia claramente que ela iria se sentir pior vendo como ele estava feliz.

O balão de ar quente subiu e desceu muitas vezes. Depois que todas se cansaram dele, Wendy foi até Rouxinol:

— Por que você está aqui? Não quer passear no balão? É fantástico voar no céu e ver a vila do alto.

Se havia alguém mais difícil do que Roland para Rouxinol encarar, esse alguém era Anna. Rouxinol rapidamente se levantou.

— Não, eu não posso. Eu preciso voltar ao escritório agora. — Rouxinol disse e entrou na névoa.

Antes que Rouxinol pudesse ir um pouco longe, ela percebeu que foi bastante estranho o fato de ela ter usado sua habilidade ali no quintal do castelo. Quando ela olhou para trás, ela viu Wendy ainda parada no lugar, com um olhar confuso. Mesmo assim, Rouxinol cerrou os dentes e foi embora rapidamente.

Rouxinol voltou para o seu quarto após o jantar e se jogou na cama. Ela esteve no escritório o resto do dia, mas em nenhum momento ela saiu da névoa. Quando Roland a chamou pelo nome, ela apenas deu um tapinha em suas costas para mostrar que estava presente. Roland até tentou oferecer o seu peixe seco favorito sobre a mesa de mogno, mas Rouxinol ainda assim não apareceu.

Em meio a estes pensamentos, Wendy entrou no quarto, fechando a porta.

— O que está errado? Você está bem? Eu vi você ficar sentada lá sozinha quando todas nós estávamos tão animadas com o balão de ar quente.

— Não é nada. — Rouxinol disse e virou o rosto.

— Eu não acredito em você. Você está com alguma coisa na cabeça. — Wendy sentou-se ao lado da cama e trouxe Rouxinol para perto de si, olhando para ela por um tempo — Achei que você estivesse disposta a compartilhar todos os seus problemas comigo.

Fechando os olhos, Rouxinol ficou em silêncio por um longo tempo.

— É a Anna.

— Anna?

Rouxinol não queria falar nada porque ela se sentia mesquinha falando sobre isso. Afinal, Anna foi a primeira bruxa que Roland conheceu, e não ela. Mesmo assim, Rouxinol sentia que se não falasse nada, o peso em seus ombros só aumentaria, a ponto de sufocá-la. E para piorar esse sentimento, Wendy sempre lhe ajudou quando ela estava na Associação. Sempre que Rouxinol estava confusa, a primeira pessoa que ela procurava era Wendy, e Wendy nunca falhou com ela antes. Depois de considerar todas estas coisas, Rouxinol pegou nas mãos de Wendy e contou tudo o que estava em seu coração.

Wendy suspirou depois de ouvir sua explicação.

— Tudo bem que a Anna não entende a gravidade da situação, mas por que você insiste? Eu já avisei a você uma vez que Roland Wimbledon não pode se casar com uma bruxa. Ele será um Rei e precisa de herdeiros para herdar o seu Reino. Basta olhar para esta simples perspectiva para saber que ele não vai querer casar com uma bruxa.

— Ele vai.

— O que? — Wendy ficou chocada.

— Sua Alteza Roland vai se casar com uma bruxa. — Rouxinol abriu os olhos, falando cada palavra lentamente — Ele mesmo disse isso.[1]

Em primeiro lugar, Rouxinol queria manter isso em seu coração, mas ela não podia mais suportar a sensação de não ser compreendida. Wendy parecia assustada com o que ouviu. Depois de um longo silêncio, ela perguntou com uma careta:

— Tem certeza?

— Sim, é verdade. — Rouxinol repetiu toda a conversa entre Roland e Pergaminho naquela noite — Quando Pergaminho perguntou se ele se casaria com uma bruxa, ele respondeu que “sim, por que não?”. Você conhece bem a minha habilidade e que eu posso dizer quando uma pessoa está mentindo ou não. Eu sei que ele disse a verdade quando falou isso.

Wendy agarrou Rouxinol pelos braços.

— Lembre-se, você não deve contar a ninguém sobre isso, nem mesmo para as irmãs da Associação.

— Po-por que?

— Roland está destinado a se tornar o Rei do Reino de Castelo Cinza. Se ele não puder ter herdeiros, o que isso irá significar para ele no futuro? Mesmo sem a oposição da Igreja, os nobres locais não iriam apoiar tal rei. Você deve manter isso em segredo e nunca, nunca contar a ninguém sobre isso! A única coisa que você precisa fazer é manter ele seguro. Não se esqueça que o destino de todas nós e nossas outras irmãs estão nas mãos e no fato de Roland ser rei.

Rouxinol assentiu com a cabeça. Depois de ponderar por um momento, Wendy continuou:

— Agora, quanto ao que está incomodando você, você quer ser a rainha dele ou simplesmente estar para sempre ao lado de Sua Alteza?

— É claro que eu quero ficar ao lado dele. — Rouxinol respondeu sem hesitação.

— E você já não está ao lado dele agora? — Wendy riu — Só pode haver uma rainha, mas quando ele ascender ao trono, ele ainda vai precisar de sua proteção. Você sabe o que eu quero dizer?

Rouxinol piscou.

Ela não respondeu.

— Portanto, não é difícil que você fique junto com ele para sempre, mas é difícil aceitar isso por conta própria, sendo uma escolha única e exclusivamente sua. — Wendy abriu a mão, continuando — Se você não puder aceitar isso, você tem duas escolhas: ou você se afasta dele ou dá um passo à frente e se esforce para ser a sua rainha. Agora, para essa pergunta, somente você sabe a resposta.

Na manhã seguinte, Roland entrou no escritório, bocejando. Quando ele abriu a gaveta, o peixe seco salgado que ele tinha guardado, já havia sumido.


[1] Caso você não se lembre dessa conversa, você pode verificar de novo aqui no capítulo 107.

JZanin
Professor de Química, mestre em Ensino de Ciências, jogador de RPG sem tempo e Deodoro Aliguieri nos tempos vagos que não existem mais. ~Strong alone, stronger together!~

21 Comentários

  1. Valeu elders por mais uma cap

    Caramba essa novel nunca fica enjoativa e tem uma pegada que realmente te prende na história <3 uma das minhas novel's favotitas. valeu por trazerem essa novel

  2. Estou torcendo muito pra rouxinol conseguir no mínimo ser amante( até por que eu me identifiquei muito com ela).
    😊🖒

    1. Acho que agora abriu a rota do harém, já que o rei pode ter concubinas, por talvez serem estéreis (Wendy quis dizer isso?) resolve o problemas de herdeiros de concubinas.
      Eu realmente não consigo ver problemas na vida de Roland!

  3. Espero que rouxinol encontre um cara que faça ela se esquecer de Roland, como s pessoas estão ficando mais a vontade com bruxas as chances aumentam, mas vai ser quase impossível esquecer ele.

  4. Só eu que não curti essa ideia louca da Wendy?
    Escolher ser a segunda opção é só pedir pra sofrer =/
    E querendo ou não, a Rouxinol vai sempre ser uma segunda opção =/

    Anna s2 Roland

    Espero que a Rouxinol conheça alguém…

    1. Permita-me compartilhar minha interpretação desse diálogo:
      O que entendi foi que Wendy resolveu o dilema de Rouxinol mostrando que ela tem alternativas
      1. Ele pode lutar para conquistar o coração de Roland e se tornar “A Rainha”, tomando o lugar que, aparentemente, já pertence a Anna;
      2. Se contentar em estar ao lado de Roland agendas como Guardian dele perpetuamente.
      3. Ela tocou nessa opção e praticamente a descartou logo em seguida porque Roland precisa ser protegido, já que ele carrega o futuro de todas as bruxas. Foi a opção dela se afastar dele.

  5. Meio merda, e o autor sabe bem o motivo.
    “Anna foi a primeira bruxa que ele conheceu, não ela” Caralho, pica, o cara só vai ficar com a Anna pq foi ela quem ele viu primeiro? Romances em harém que são decididos pelo primeiro encontro são simplesmente frustrantes. Histórias como o mangá de Gotoubun, em que você não sabe quem ele vai escolher e todas têm chance são aquelas que realmente trazem justiça ao gênero. Mas não, como Anna foi quem ele encontrou primeiro, claro q ela seria escolhida. Decepcionante, novamente. A única esperança que posso ver é se realmente haver um harém no final.
    Obrigado pelo cap

    1. Isso é algo bem comum em novel chinesa e realmente não faz sentido algum, o negócio é fingir que tem lógica pq mudar não vai

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
error: O conteúdo deste site está protegido!