LAB – Capítulo 269

Plenária (Parte 2)

Agora era hora de ouvir o relatório do Ministro Interino da Indústria Química, Kyle Sichi. Antes mesmo de começar seu relatório, Kyle já tinha começado a bufar, demonstrando seu descontentamento.

— Vossa Alteza, espero que o senhor possa encontrar um verdadeiro ministro o mais rápido possível. Não quero mais participar desse tipo de reunião.

Em sua mente, Roland revirou os olhos para Kyle. Como que ele poderia facilmente encontrar outra pessoa que tivesse uma compreensão de alquimia e de química tão boa para substituir Kyle? Desde que Roland se tornou, de fato, um líder, ele gradualmente percebeu que tinha que ignorar algumas declarações, como a de Kyle agora há pouco. Sem demonstrar nenhum desagrado, Roland perguntou a Kyle:

— Você já tem alguma ideia sobre a produção em massa dos dois tipos de ácidos?

— Não — Kyle deu de ombros —, e é exatamente por isso que eu preciso de mais tempo e mão de obra para estudar o projeto, em vez de perder meu tempo sentado aqui. — Após esse tempo todo morando em Vila Fronteiriça, Kyle já havia aprendido o vocabulário e as expressões de Roland — Se eu tiver que dizer alguma coisa aqui, só posso falar dos laboratórios que precisam de mais funcionários, e quanto mais, melhor. Além disso, os cinco novos funcionários parecem ser bastante inteligentes. Preciso reconhecer que a sua ideia da educação primária aparenta ser bastante útil.

O Alquimista Chefe Kyle não parecia tão reverente quanto os outros oficiais, mas Roland, considerando a idade de Kyle e sua tremenda fixação por experimentos químicos, não se incomodou com sua linguagem ou atitude. Quando Kyle descobriu que ele poderia ser curado por Nana depois de sofrer um acidente como a explosão passada, a primeira coisa que ele pensou foi que poderia conduzir qualquer experimento arriscado que quisesse. Essa nova descoberta lhe dera tanto entusiasmo que ele até queria provar diferentes tipos de ácidos. Tal frenesi deixou Roland espantado.

— Tudo bem… continue seus estudos. Vou deixar Barov te ajudar com o recrutamento de funcionários.

— A propósito, Alteza, o senhor já terminou de escrever o livro Química Intermediária? Se o senhor pudesse emprestar o livro para mim, eu poderia pensar em algum processo de produção de ácido em massa com mais facilidade. — Kyle disse.

— Repetirei o que eu disse na Cerimônia de Honra e Recompensas, contanto que você treine aprendizes e assistentes o suficiente para preencher os novos laboratórios, o livro será seu. — Roland disse estendendo as mãos.

A verdade, no entanto, era que o Príncipe ainda não escrevera uma palavra daquele livro. Como ele havia praticamente esgotado seus conhecimentos para escrever Química Primária, Roland não tinha praticamente mais nada para acrescentar, e receava que Química Intermediária seria um livro de apenas algumas páginas.

Karl van Bate, Ministro da Construção, foi o quarto a relatar.

— Antes de mais nada, gostaria de expressar minha gratidão à Senhorita Pergaminho. — Karl assentiu para cumprimentá-la — Estou feliz em saber que meus estudantes conseguiram se formar.

Pergaminho acenou de volta para ele e disse:

— O prazer é meu.

Era óbvio que esse mestre de obras tinha uma personalidade muito mais sociável do que o Alquimista Kyle.

Karl abriu um caderno que levava consigo todo o tempo e iniciou seu relatório bem organizado.

— Estamos constantemente avançando na construção de grandes projetos da vila, que incluem a Avenida Real, a Ponte do Rio Vermelho, o novo distrito residencial e a nova muralha da vila. Estima-se que a Avenida Real será concluída na próxima primavera. Para esse projeto, foram contratados quatro mil e quinhentos trabalhadores, metade dos quais são de Forte Cancioneiro. A Ponte do Rio Vermelho também está em fase de construção, porém ainda estamos focados na inserção das chapas de cimento nos pilares e na construção das bases de cada lado da ponte. O novo distrito residencial foi expandido na direção da antiga muralha da vila, e temos cerca de mil pessoas trabalhando lá. Estamos confiantes em cumprir nossa tarefa de fornecer casas suficientes para os refugiados da Região Leste antes dos Meses dos Demônios deste ano, claro, contanto que tenhamos o suprimento necessário de tijolos e cimento.

Dado que Karl tinha o hábito de informar a Roland sobre o progresso dos projetos de construção da vila todos os dias, ele apenas relatou brevemente, deixando de fora alguns projetos menores, como a expansão do castelo e a construção da Casa das Bruxas. Quanto a nova muralha da vila, Lotus estava construindo por conta própria. Depois que a posição da muralha foi determinada, ela avançava em aproximadamente 100 metros todos os dias ao longo da linha pré-definida.

— Muito bem, bom trabalho. — Roland assentiu satisfeito e orientou Karl, já que esse era o setor em que a Prefeitura investiu mais mão de obra e dinheiro, e também o que entregava mais resultados e conquistas — Ao decorrer das construções, quero que você use nossa política diferenciada de tratamento no trabalho para fazer com que esses poucos trabalhadores de fora permaneçam na vila. Até mesmo os de Forte Cancioneiro deverão estar incluídos, pois já estão aqui há um ano e com certeza já se tornaram trabalhadores qualificados em construções.

— Sim, Vossa Alteza. — Karl respondeu.

— Bem, o próximo é… Machado de Ferro.

Foi a primeira vez que Machado de Ferro participou de uma reunião desse tipo. Sentindo-se um pouco desajeitado, ele limpou a garganta e disse:

— Vossa Alteza, há duas coisas sobre o exército que quero comunicar. Primeiro, o Segundo Exército já realizou um treinamento básico e está pronto para ser enviado para Forte Cancioneiro. Segundo, após o recente recrutamento, o Primeiro Exército possui agora oitocentos e vinte e cinco soldados. Tirando os trezentos e cinquenta soldados do Esquadrão de Artilharia, todo o restante foi equipado com fuzis de repetição. É tudo o que tenho a relatar. — Após terminar seu relatório, Machado de Ferro fez uma saudação.

— Muito bem. Amanhã mesmo você já pode enviar o Segundo Exército para Forte Cancioneiro. Lembre-se de colocar alguns homens confiáveis e capazes entre eles para continuar nossos exercícios diários e educação ideológica no forte, exigindo que eles se apresentem semanalmente aqui na vila. — Roland observou.

Barov foi o último a relatar. Ele olhou para todos e depois se curvou para Roland.

— Vossa Alteza, depois de pagar as despesas de transporte de Theo e da Câmara de Comércio de Margaret, as reservas de ouro do governo diminuíram drasticamente. Temos a colheita deste ano, e o Ministério da Agricultura está comprando grãos a preço de mercado. Agora, restam apenas cerca de duas mil peças de ouro nos cofres. É uma quantidade baixa, que pode nos colocar em uma situação difícil.

Considerando o que ele tivera no último inverno, Roland achava que 2.000 peças de ouro já eram uma quantia enorme, mas também sabia que a situação era diferente agora. Somente os gastos do Ministério da Construção já sobrecarregariam os cofres públicos com a enorme despesa que era pagar os salários em dia dos 5.000 trabalhadores. Havia também o alto salário do Primeiro Exército, dos funcionários nas fábricas, do laboratório químico e da Prefeitura, que também exigiam uma grande quantia de dinheiro.

Em outras palavras, Vila Fronteiriça agora ganhava muito e ao mesmo tempo gastava muito, embora, no momento, ainda pudesse fornecer a maioria das matérias-primas e máquinas.

— No início do próximo mês, Margaret voltará para a vila e teremos muito lucro com a venda dos motores a vapor. Além disso, a aquisição de grãos e o transporte de refugiados não são despesas comuns. Nos próximos seis meses, as reservas de ouro provavelmente voltarão a subir constantemente. Você não precisa se preocupar muito com isso. — Roland fez uma pausa por um momento — Além disso, tenho mais uma coisa importante para dizer, você receberá um aumento de salário.

— Um aumento? — Barov ficou surpreso.

— Sim, agora a Prefeitura não é mais uma organização simples administrada por uma dúzia de pessoas. Sua carga de trabalho aumentou significativamente, e seu pagamento deve seguir o mesmo princípio. — O Príncipe sorriu para Barov e continuou — Seu salário mensal, a partir deste mês, será aumentado para cinco peças de ouro, já o salário dos ministros aumentará para duas peças de ouro. Com base nessa proporção, você também deve aumentar os salários dos aprendizes e assistentes da Prefeitura. E fique tranquilo, não será uma grande quantia de dinheiro, no total, deve girar em torno de vinte a trinta peças de ouro.

Cinco peças de ouro não era um salário tão alto para o cargo de Primeiro Ministro da Prefeitura, mas Roland tinha certeza de que o que Barov gostava mesmo era do poder. Como Barov vinha controlando as finanças da vila o tempo todo, era fácil para ele ganhar uma fortuna roubando fundos públicos. No entanto, a essa altura, ele não havia conduzido nenhuma prática corrupta como essa.

É claro que, como líder, Roland não podia depender apenas da integridade dos funcionários para manter um governo honesto. Rouxinol, que poderia identificar mentiras, poderia ajudá-lo com esse assunto. Ninguém poderia esconder suas más ações de Rouxinol.

— Ah, sim. Sei que vocês já sabem disso, mas quero ressaltar o que disse antes. Depois dos Meses dos Demônios deste ano, pretendo fazer com que esta vila se torne uma cidade oficial. A cidade se tornará uma cidade real cobrindo uma área muito maior do que da Cidade Real de Castelo Cinza ou a de qualquer outra cidade nos outros reinos. Nos expandiremos para o oeste até a fronteira das Terras Selvagens, para o leste, para incluir Forte Cancioneiro e para o sul, até as montanhas e o mar. As barreiras naturais formarão a muralha da cidade. Então, vocês precisam acelerar o progresso do trabalho em suas mãos para receber com louvor a nova cidade. — Roland fez uma pausa e depois disse solenemente — Espero que nossa cidade seja tão aconchegante e calorosa quanto a primavera, mesmo em um inverno sem fim.

JZanin
Professor de Química, mestre em Ensino de Ciências, jogador de RPG sem tempo e Deodoro Aliguieri nos tempos vagos que não existem mais. ~Strong alone, stronger together!~

17 Comentários

  1. Obrigado mestre pelo capitulo, quanto ao livro de quimica, eu acho que ele podia trocar por fisica, biologia, astrofisica, bem nao so algo que ajuda na horas a vila mais algo que ajude futuramente ou que abra mais os horisontes dos pensamento e imaginaçao das pessoas.

    1. Física eu acho q talvez ele saiba o básico no mínimo já biológica e astrofísica acho mais difícil

  2. receio que terá uma crise financeira, tipo o lucro das maquinas não sera tão alto como previsto, então eles darão meio que uma estagnada nesse crescimento exponencial,ficando mais consistente, ai eu acho que teremos uma explicação melhor sobre este mundo, tipo explorando aquela torre, na guerra entre a garcia e a igreja, e na surra que o thimoti vai levar

    1. Provavelmente o negócio vai estagna em algum momento, possivelmente quando a guerra contra a igreja começar, já q é normal ter um momento d explosão referente a expansão territorial mas as coisas tendem a se acalmar podedendo chegar a estagnar

  3. “Espero que nossa cidade seja tão aconchegante e calorosa quanto a primavera, mesmo em um inverno sem fim.”
    É uma belíssima frase para expressar suas expectativas 😍😍😍

    Muito obrigado pelo capítulo 🙇😁 Mestre JZanin 🙇😁

  4. Imaginei ele construindo a “Muralha da China” entre as montanhas no futuro para impedir a invasão dos “diabos”.

  5. A evolução da vila, novas tecnologias sendo incorporadas aos poucos, disputa de poder, bruxas, bestas, igreja demoníaca, romance, aventura, mistério, Uauuu! Que novel fabulosa!!!!

  6. O mês dos demônios não é de ano em ano e o Roland não tá na vila a 6 meses? Como vai é possível já tá chegando outro mês dos demônios se não passou nem um ano ainda? ou fui eu quem interpretou algo errado?

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
error: O conteúdo deste site está protegido!