MdG – Volume 3 – Capítulo 1 (Parte 2 de 8)

Haviam passado mais de seis meses desde que Sacerdotisa tinha se tornado uma aventureira.

Mais de seis meses desde que tinha escapado por um triz da morte naquela primeira missão. Meses no qual ela estivera cara a cara com a morte em batalha.

Ela ainda era apenas Obsidiana, o nono ranque, mas em muitos aspectos ela já não era uma amadora. Quando ela ouviu que os goblins haviam raptado uma aldeã, ela já não se apavorou.

Ou talvez ela tivesse simplesmente se tornado indiferente…?

A ansiedade, nascida da sua experiência crescente, se espalhou pelo seu pequeno peito.

Mais uma razão para ela fechar os olhos e agarrar seu cajado, rezando para a toda-compassiva Mãe Terra. Ela rezou para que os goblins mortos pudessem alcançar a felicidade pós-morte, e que as mulheres capturadas fossem resgatadas em segurança.

— O pedido demorou demais para chegar até nós… Ei. — Matador de Goblins esperou silenciosamente ela terminar suas orações, depois falou. — Você pode revistar seus corpos?

— Hã? — Ela ergueu a cabeça, surpresa, mas seus olhos só encontraram o capacete inexpressivo dele.

— Eu quero recolher seus equipamentos.

— Ah, hum… — Sacerdotisa não foi capaz de responder imediatamente, olhado para trás e para frente, entre os corpos e o elmo.

É claro, não era que ela estivesse com medo ou que os corpos fossem impuros. Goblin ou não, cadáveres ainda eram cadáveres.

Ela não condenaria qualquer ação que ele escolhesse tomar, mas poderia ela, um membro do clero, profanar aqueles corpos?

— Se não pode fazer isso, então me dê cobertura.

— Ah! Sim, senhor. — Sacerdotisa assentiu. — Se possível, eu preferiria…

Matador de Goblins não deu nenhuma confirmação, apenas partiu correndo de imediato.

Ainda no mesmo lugar, Sacerdotisa deu um suspiro. Ela continuava pensando que estava acostumada com isso, mas de alguma forma nunca esteve.

Suor se formou em sua testa apesar do vento cada vez mais frio. Ela estava incrivelmente alerta. Ela desejava que seus companheiros estivessem com eles, especialmente a elfa.

Embora todos eles fossem tecnicamente um grupo, eles nem sempre se aventuravam juntos. Era assim que as coisas eram hoje. Mas…

Ai-ai

Sacerdotisa se viu soltando outro suspiro.

Ela tinha muitas coisas em que pensar, muitas coisas para fazer.

Mas, Matador de Goblins continua obcecado por goblins…

Discutir coisas nem sempre seria produtivo, é claro, mas com ele você mal conseguiria sequer chegar nesse ponto.

— O-oops, preciso se concentrar…!

Ela voltou a si repentinamente, balançando a cabeça rapidamente.

Essa não era hora de se distrair.

Ela segurou o cajado embaixo do braço, preparando sua funda. Ela respirou fundo.

— Você… Você está bem?

— Sim.

A resposta leve, mas firme, flutuou até ela.

Matador de Goblins se aproximou dos cadáveres com o seu habitual passo despreocupado, mas ágil.

— Hmm… Como eu pensei — murmurou ele. — Mas não há tempo para olhar ao redor.

Ele não tinha qualquer utilidade para suas armaduras e capacetes. Ele saqueou uma espada, bainha e tudo mais da cintura de um goblin, pegou a adaga de outro e coletou a picareta de um terceiro.

Com os equipamentos furtados em mãos, ele foi de volta pelo mesmo caminho que veio.

— GORB! GRROOORB!!

— Matador de Goblins, senhor! Eles chegaram…!

Matador de Goblins seguia em frente enquanto Sacerdotisa disparava atrapalhadamente uma pedra com a funda.

Logo atrás dele, um goblin e seu hálito fedorento saíram da entrada da mina.

Os aventureiros não eram os únicos capazes de usar os goblins como isca. Os monstros sobreviventes provavelmente pensaram que tinham utilizado os corpos dos seus companheiros para atrair os humanos.

Mas, a pedra de Sacerdotisa acertou o goblin no ombro, e ele deu um grito alto.

— Ótimo.

Longe de Matador de Goblins permitir essa oportunidade ser desperdiçada.

Com uma velocidade contradita pela sua armadura completa, ele lançou alguma coisa por cima do ombro com a mão direita.

Era a espada de sua cintura.

— GBBR?!

Ela perfurou a garganta do goblin com um toc enfastioso. Matador de Goblins nem sequer tinha se virado para lançá-la. A espada que ele tinha roubado já estava em sua mão quando as costas da criatura atingiram o chão da caverna.

— Sete. Outros?

Matador de Goblins avançou entre as sombras das rochas, arremessando os prêmios no chão.

— Pelo que vejo — disse Sacerdotisa, inspecionando a entrada do túnel — nenhum.

— Muito bem.

Ele se focou rapidamente em ordenar as armas roubadas.

Ele prendeu a bainha vazia no seu cinto, a usando para embainhar a espada que segurava. A adaga, também, foi para sua cintura.

Tratar os goblins como um arsenal era a sua estratégia clássica.

— Estamos indo.

— O quê? Indo?

Agora reequipado, Matador de Goblins se pôs de pé.

Sacerdotisa, ainda agachada, pestanejou para ele com perplexidade.

— Achei que essa mina só tinha uma entrada.

— Tem. De duas semanas atrás. — Matador de Goblins levantou a picareta e a esticou para ela.

— Que!

O movimento casual foi fácil de se confundir com um ataque.

Sacerdotisa olhou com reprovação para o capacete.

— Matador de Goblins, senhor! S-seja cuidadoso com isso!

— Olhe.

— O que devo ver aqui…?

Intrigada, ela se inclinou obedientemente para a picareta, analisando atentamente.

Estava bem usada, velha e suja, provavelmente deixada na mina. Suas extremidades estavam desgastadas pelo uso implacável. Elas exibiam manchas carmesim-escuras… e partículas de terra.

— …?

Sacerdotisa sondou a terra com a ponta do seu dedo branco. Ainda estava úmida, novíssima.

— Matador de Goblins, senhor, o que isso quer dizer…?

— Sim.

Matador de Goblins assentiu e colocou a picareta no ombro.

Ele estava bem ciente que os goblins não tinham conhecimentos de metalurgia.

Eles não cavavam buracos para encontrar recursos; pelo menos, ainda não.

Isso só poderia significar uma coisa.

— Eu cavaria um túnel lateral e planejaria um ataque surpresa.

Ele acabou por ter toda a razão.

Matador de Goblins partiu para o lado da montanha anteriormente intacto.

Mas agora, eles encontraram um túnel novo, juntamente com goblins rastejando para fora do buraco como vermes.

Todos eles estavam sujos de lama, cansados e claramente aborrecidos… em outras palavras, uma oportunidade perfeita.

— GUAAUA?!

— Oito.

Matador de Goblins lançou calmamente a picareta, reivindicando sua próxima vida. A ferramenta poderia estar desgastada, mesmo assim, era afiada o suficiente para quebrar o esterno da criatura e perfurar seu coração.

Com a visão do seu companheiro caído, os outros goblins começaram uma barulheira terrível.

E quem poderia os culpar? Era de se esperar.

Esses caras tinham ido em raides no qual era seus equivalentes à noite, e então eles foram forçados a cavar esse túnel de emboscada.

Eles não conseguiram dormir, cheios de fadiga e os goblins superiores estavam estalando o chicote atrás deles. Foram-lhes informados que suas recompensas seria uma jovem sacerdotisa, mas eles pensavam que quando seu turno chegasse, eles não a achariam muito diferente de qualquer outra prisioneira. Naturalmente, tudo isso minou a moral deles.

Matador de Goblins preferia o “crepúsculo”, mas a “meia-noite” também funcionaria.

Caso contrário, qual seria a importância dessa tática?


KakaSplatT
☦ Death To The World ☦

19 Comentários

  1. “Foram-lhes informados que suas recompensas seria uma jovem sacerdotisa, mas eles pensavam que quando seu turno chegasse, eles não a achariam muito diferente de qualquer outra prisioneira.” Fiquei um pouco em dúvida nessa parte, se referia a sacerdotisa que é a ajudante do MdG ou uma nova personagem ?

    1. Pelo que entendi está falando da Sacerdotisa mesmo, algo como algum goblin ter falado para os outros sobre haver uma jovem sacerdotisa no grupo(MdG e Sacerdotisa) de aventureiros.

      1. mas porque eles não atacaram com números o MdG, se eles quisessem embosca-los porque um minerador saiu da função e foi olhar o que houve com a picareta

        1. Bem, foi dito que os goblins estavam cansados de minerar, cobertos por lama e que estavam descontentes com isso. Talvez por esse motivo que não atacaram em grupo usando os números a seu favor.

          1. é a unica opção mesmo, e bem que os globins tem inteligencia de uma criança mesmo porque nao vale apena fazer um tunel quando está sendo atacado

          2. Isso é verdade, mas apesar deles terem a inteligência de uma criança eles não são tolos e tem alta capacidade de se desenvolver. Por isso acabo pensando que o MdG e a Sacerdotisa não foram avistado por eles, até porque o MdG é experiente e entende como funciona a cabeça de um goblin.

          3. psé mas quem seria entao a sacerdotisa que estavam falando? só se for uma aventureira que pegou missao pra mata globins ou uma das mulheres que foram raptadas

          4. Essa é uma pergunta que não sei responder kkk
            Mas acredito que na próxima parte do capítulo iram esclarecer algumas coisas.

          5. saudades da epoca(4 dias atras) que lia um capitulo e podia seguir pro outro uhsuahsu. ate queria espera ler varios cap de uma vez mas o cérebro fica piscando pra ler

          6. Ah bons tempos…
            Também queria, até tentei acumular novos capítulos também, mas inconscientemente já estava aqui no site procurando atualização kkkkk

          7. Por isso devemos pensar positivamente @marcelzimpel:disqus e @brendosilvafontesfontes:disqus, por exemplo, agora estamos postando uma parte por dia (sem diminuir a quantidade de palavras!), coisa que postávamos 2 por semana…
            E ainda, se pegar por exemplo a tradução oficial da Yen Press, eles lançam em volumes levando meses para sair! E o próximo — quinto — só vai sair 19 de Setembro! Quase 1 ano do quarto que saiu dia 19 de Dezembro do ano passado.

            O problema de fato vai ser quando alcançarmos a publicação inglesa… ai vai ser um pouco trágico, é claro, para quem está acostumado em ler web novels, mas sendo um livro, é um tanto quanto normal ter de esperar um tempo.

          8. sim agradeço vocês de coração que traduzem rapidamente, o quinto volume a ser lançado no yen press vai ser completo? pelo esse ritmo de vocês devem finalizar o quarto em uns 2-3 meses sem imprevistos, o bom que também depois será lançado o anime do MdG u.u

          9. Sempre penso positivamente, por isso sou muito agradecido por vocês traduzirem ^^

            E sobre a versão inglesa, é realmente uma pena essa demora(de quase um ano) para lança um novo volume, já que no Japão atualmente estão no volume 6.

            Em relação aos volumes seguintes, procurei alguns spoilers das sinopses e simplesmente estão incríveis (como sempre kk), mal posso esperar para vê-los traduzidos aqui.

          10. É uma possibilidade, mas acredito que eles realmente não viram o MdG e a Sacerdotisa.

      2. Sim também pensei isso, mas ainda fiquei na dúvida.
        Bem as explicação vem na próxima parte do capítulo mesmo(eu acho kk)

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
error: O conteúdo deste site está protegido!