MdG – Volume 5 – Capítulo 3 (Parte 3 de 6)

— Acha que é outro elfo negro ou um ogro? — perguntou Sacerdotisa.

— Ou talvez… um demônio? — sussurrou Alta-Elfa Arqueira com uma expressão apavorada. A palavra ecoou pelos corredores da caverna, deixando os seus cabelos em pé.

Os aventureiros olharam uns para os outros, e então Anão Xamã, afagando a barba, suspirou. — Ahh, parem com isso. Não faz sentido ficarem tensos com hipóteses. — Ele estendeu a mão (porque ele era muito pequeno) e deus uns tapinhas nas costas de Matador de Goblins. — Isso não é exatamente o que chamamos de “bater em uma espada famosa com um martelo”. Mas, Corta-barba. Temos que nos concentrar no que podemos fazer agora.

— Sim — disse Matador de Goblins depois de um momento. Ele levantou a tocha e deu mais uma olhada na parede, então assentiu. — Está aludindo um provérbio de anões?

— Estou — disse Anão Xamã com uma fungada satisfeita.

— Entendi. — Quando Matador de Goblins partiu com seu passo ousado habitual, murmúrios puderam ser ouvidos. “Não há necessidade de forjar ainda uma espada famosa”. E depois: “Hum. Nada mal”.

O leiaute da caverna não parecia muito complexo, e eles seguiram o caminho por algum tempo. Não havia sinal de goblins, apenas um fedor de podridão generalizado.

— Acho que vou ficar doente — murmurou Alta-Elfa Arqueira, puxando a gola até o nariz. Mais ninguém disse em voz alta, mas a maior parte do grupo parecia se simpatizar com ela; exceto Matador de Goblins.

Eventualmente eles chegaram em um cruzamento em forma de T. Alta-Elfa Arqueira se agachou de imediato, inspecionando o piso cuidadosamente por pegadas.

— Muitas impressões indo para a direita — reportou ela, batendo as mãos para retirar a poeira. Ela não conseguia analisar sempre edifícios feitos pelo homem, mas em lugares naturais como essa caverna, seus olhos eram fiáveis. Isso sugeria que à direita estava o dormitório, com um arsenal ou armazém à esquerda. Ou talvez…

— Da outra vez, começamos com o banheiro — disse Anão Xamã.

— Correto — disse Matador de Goblins. — Seria inconveniente perder alguém só porque se estava usando o banheiro.

— O mesmo plano dessa vez?

— Hm — grunhiu Matador de Goblins.

Eles deveriam fazer o mesmo que fizeram antes? Era seguro usar a mesma estratégia todas as vezes? Qual era a probabilidade de o inimigo prever o que iriam fazer?

Imagine. Pense. Se o armamento real de um aventureiro era sua primeira arma, o conhecimento e o planejamento era a sua segunda.

Se ele fosse um goblin, o que faria?

— Vamos atacar a direita primeiro. — Matador de Goblins fez a sua conclusão sem compunção. Não houve debate.

Alta-Elfa Arqueira colocou uma flecha em seu arco grande, enquanto Lagarto Sacerdote preparou uma lâmina de presa. Anão Xamã colocou a mão em sua bolsa de catalisadores, e Sacerdotisa agarrou seu cajado de monge firmemente.

Eles se moveram rapidamente pelos túneis, chegando em uma grande sala de estar esburacada. Lá, diante deles estava uma horda de goblins, carregando pás e picaretas como se preparando para um ataque surpresa…

— Ó Mãe Terra, abundante em misericórdia, conceda tua luz sagrada para nós que estamos perdidos na escuridão!

Com essas palavras, Sacerdotisa empreendeu a iniciativa. Ela fez isso sem nenhuma capacidade especial; apenas um rolar de dados. Mas a forma como ela entoou o milagre Luz Sagrada sem hesitação, era um sinal de quanto ela crescera. Ela ergueu seu cajado, cujo qual era o anfitrião do milagre sagrado. Uma luz brilhante preencheu a caverna.

— GORARAB?!

— ORRRG?!

Os goblins, atingidos pela luz sagrada, pressionaram as mãos nos olhos e gritaram. Ela contou dez; não, quinze?

— Dezessete. Sem hobs, sem conjuradores. Arqueiros presentes. Vamos!

Para os aventureiros, que possuíam a luz em suas costas, a iluminação não era nenhum problema.

— A primeira morte é minha! — Tão logo Matador de Goblins emitiu sua ordem, uma flecha ponta-broto começou a voar. Alta-Elfa Arqueira puxou elegantemente a corda de seda de aranha de seu arco, liberando as três flechas que carregava com um único movimento.

A caverna poderia ser escura e confinada, mas isso não era obstáculo para a pontaria de um elfo. Sua habilidade era tão avançada que era praticamente indistinguível de magia. Três goblins desabaram onde quer que estivessem: catorze restaram. Uma salva de pedras começou a assolar as criaturas restantes.

— Saiam, seus gnomos, é hora de trabalhar, não se atrevam a fugir de seu dever; um pouco de pó pode não causar choque, mas mil fazem uma bela rocha!

Anão Xamã arremessou um pouco de areia para o ar, a transformando em rochas que choveram sobre os inimigos.

— ORGAAA?!

— GROOROB?!

Os goblins berraram e caíram para trás. A magia Impacto Pétreo os assaltou indiscriminadamente, quebrando ossos e rasgando carne.

Nesse momento, claro, magias que feriam o inimigo e aquelas que auxiliavam os aliados eram ambos úteis. Foi o próprio Anão Xamã quem optou por Impacto Pétreo, uma técnica ofensiva. Magias que atingiam uma área toda eram melhores enquanto mantinha a iniciativa, antes de engajar o inimigo.

Dez goblins restaram. Gritando e chorando suas lágrimas vis, os monstros avançaram.

— Vamos nessa! É a sua vez, Corta-barba! Escamoso!

— Hrrrooahhh!

— Ótimo.

Um grande rugido e uma resposta curta: os dois membros da vanguarda do grupo ficaram bloqueando a entrada da sala. Era apenas lógico que não entrariam; quando lutando contra um grande número de adversários, era sensato escolher um ponto estreito e defender.

O inimigo, que possuía a maioria de quase quatro para um, foi reduzido à metade da força. E apenas dois ou três goblins poderiam ficar lado a lado no túnel. Contra os dois guerreiros, e tendo em conta o terreno, a luta era quase equilibrada. Isso só foi para mostrar quão crucial era tomar a iniciativa de combate.

Afinal, haveria sempre mais goblins do que aventureiros. O destino dos aventureiros que tentavam enfrentar goblins sem reconhecer esse fato básico era cruel.

— GORROB!

— Eeyahhhh!

Os goblins ainda estavam meio cegos pelo clarão de luz; seus ataques nem valiam a pena se preocupar. Lagarto Sacerdote atacou com garras e cauda, lidando com um goblin com um golpe poderoso e dilacerando outro em pedaços. Oito sobravam.

Os homens-lagarto respeitavam a animalidade, pois era uma natureza bestial combinada com o intelecto astuto que definia os nagas. Violento e bravo, gritos de guerra se misturaram com orações, Lagarto Sacerdote se lançou nos goblins sobreviventes.

— Hmph. — Bem ao lado dele, Matador de Goblins apunhalou as criaturas em seus pontos vitais; silenciosamente, zelosamente, precisamente.

Garganta, coração, cabeça. Não importava. Criaturas humanoides tendiam a ter muitos pontos fracos. Matador de Goblins preferia pessoalmente a garganta. Uma estocada podia não resultar em uma morte instantânea, mas deixaria o alvo impotente. Ele chutou de lado o goblin asfixiando e arremessou sua espada em outro mais longe.

— ORAGAGA?!

— Dez, onze.

Seu alvo colapsou, perfurado na garganta. Mesmo no escuro, sua mira era precisa.

Seis restando. Matador de Goblins empurrou com o pé uma clava pertencente a um dos goblins mortos, chutando para cima sua mão. Ele parou um golpe de machado do goblin ao seu lado com o escudo, depois visou um ataque com a clava no estômago da criatura.

— ORARAO?! — Algo nojento foi derramado da boca aberta do goblin. Matador de Goblins atacou outra vez. Isso dava mais dois desde a última contagem.

Depois de dar um golpe cruel no crânio da criatura, Matador de Goblins agitou o escudo indiferentemente, retirando o vômito.

— Treze. O inimigo vai se recuperar em breve.

— Certo!

Quatro sobrando. Não era uma desculpa para terem calma, claro.

KakaSplatT
☦ Death To The World ☦

13 Comentários

    1. Cara não é meu desejo estragar a sua leitura.Então eu te pergunto vc quer saber mesmo ou quer descobrir lendo a novel?

      1. Eu não me importo com spoiler, mas é melhor não falar, afinal não sou o único que vai ler o comentário hauhauhauha

          1. Tu está certo, foi mancada minha.Eu cometi um erro de interpretação.Tinha um ponto de exclamação no final e não um ponto de interrogação.

  1. Ong pelo capitulo, se essa historia cor baseada em DeD tomara que apareça um verme purpora ou um cavaleiro da morte

    1. Verme púrpura? Que tipo de goblin gigante é esse? Então quer dizer que um goblin que já morreu e é invocado volta como cavaleiro da morte? 🤔🤯

  2. Correto, passou despercebido. Obrigado meu consagrado. Passa no nosso Discord para pegar teu rep! hehehe

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
error: O conteúdo deste site está protegido!