PA – Capítulo 63

Você é Capaz de Sentir Medo?

 

 

Nenhuma das outras pessoas notou Sanji aparecendo descaradamente na frente dos dois executivos porque todos estavam ocupados, mas isso era algo que ninguém imaginaria.

Marcie estava correndo quando de repente um vento intenso soprou na frente dela. “Bang!” De alguma forma, a cabeça de Marcie colidiu com o espaço vazio à frente, e ela quase caiu. Depois de estender a mão, percebeu que havia uma parede invisível, mas não sabia até onde se estendia. Segurando o nariz levemente ferido, ela se virou e olhou para Jinfeng, que estava a poucos metros de distância.

Ele sorriu enquanto torcia as mãos com uma satisfação doentia. Jinfeng deu alguns passos em direção à mulher e falou:

— Olha só. E não é que nós nos encontramos novamente?

Marcie olhou para ele friamente. Colocou as mãos para baixo e estendeu as unhas.

Apesar da luz dos holofotes acima, era difícil ver as unhas estendidas de Marcie, que depois do aumento de nível, não brilhavam mais como anteriormente. Só a Marcie era capaz de ver que duas unhas tinham quebrado.

Jinfeng não deu atenção à demonstração de agressividade da mulher. Seus olhos fitaram os seios da mulher por um longo tempo antes de gargalhar.

— Só para te informar, eu vi o Sétimo.

Essa declaração capturou a atenção da Marcie.

— Eu acho que vocês ainda estão brigados. Eu vi ele hoje de manhã. Ele me contou a razão pela qual você desapareceu e ainda me deu algumas informações sobre as suas unhas…  — havia um sorriso repugnante no rosto de Jinfeng enquanto falava com um tom meloso. — Contanto que eu quebre suas unhas uma por uma, você não será capaz de me machucar, certo?

12º procurou Jinfeng? Onde ele está agora? — Marcie sabia que Jinfeng não responderia suas perguntas, então ela não se incomodou em perguntar.

— Se você acha que pode escapar das minhas unhas, então vá em frente e tente, — ela falou monotonamente.

O sorriso de Jinfeng diminuiu visivelmente, então ele bateu palmas duas vezes. Enquanto o barulho das palmas desaparecia, anéis coloridos se espalharam de onde eles estavam. Em menos de um segundo, todo o lugar mudou completamente.

A fábrica mal iluminada foi substituída por uma floresta com várias plantas estranhas. O sol estava brilhando acima e o chão estava coberto por grama selvagem. Marcie estava de pé em uma área bastante aberta. Ela podia até ver o céu azul através da canópia. Jinfeng não estava mais parado onde estava momentos antes. Agora, havia apenas algumas pequenas flores amarelas naquele local.

Marcie deu alguns passos cautelosos à frente e colocou todo o seu foco em ouvir seus arredores. Ela estava tentando ver se conseguia escutar qualquer barulho por perto.

A voz de Jinfeng veio de repente do céu azul acima:

— O território que mostrei anteriormente era apenas a versão básica da minha habilidade. Eu estou usando todo o meu poder hoje. O que acha? Bonita, não é mesmo?

Quando ele terminou de falar, uma sombra girou rapidamente em direção a Marcie. Era extremamente rápido, mas ao mesmo tempo, a velocidade criou um barulho muito fraco. Marcie só percebeu a quando o vulto estava bem atrás de sua cabeça. Ela imediatamente se esquivou virando a cabeça. A coisa desconhecida passou pelo seu rosto e aterrissou no chão.

Um longo filete de sangue apareceu na ponta do nariz da Marcie. Ainda assustada, ela olhou para o vulto e descobriu que era apenas uma flor silvestre.

As pétalas da endurecida flor estavam abertas, e cada uma delas tinha uma ponta afiada como uma lâmina. Quando começava a girar, era como um belo moedor de carne. Marcie pegou a flor e testou em seu cabelo. Algumas mechas vermelhas de cabelo caíram no chão.

— Haha! O que acha? Não é bom? Deixe-me te contar algo. Eu posso converter tudo dentro do meu território em uma arma. Não é só essa flor que você está segurando.

Marcie tentou localizar de onde a voz vinha. Porém, no segundo seguinte, ela correu o mais rápido que pôde quando vários fragmentos de lâminas caíram do céu quase como se a perseguissem. Ela só parou quando correu cerca de vinte metros. Quando olhou para trás, viu várias nuvens planas endurecidas saindo do chão.

Merda. Ele realmente consegue usar tudo! — Marcie pensou enquanto examinava rapidamente todo o lugar. Embora o céu parecesse ilimitado e a floresta se estendesse infinitamente, ela sabia que esse território ilusório deveria ter um limite, pois ainda deveria ser restringido pelas leis naturais da realidade. Ela se lembrou que quando eles estavam na enfermaria, o território ilusório era apenas do tamanho do quarto. Naquela época, ela ainda podia ouvir ruídos vindos de fora…

Apesar do lugar não ser tão grande quanto demonstrava, o principal problema era que ela não sabia onde Jinfeng estava se escondendo.

— Agora… — A voz de Jinfeng soou novamente. No instante em que Marcie reagiu, viu uma sombra verde vindo em sua direção. Ela se esquivou com uma cambalhota, apenas para perceber que o alvo do ataque era a mão dela, mas apenas a mão. O cipó que a atacou parou no ar, e depois de balançar as duas longas unhas que estava “segurando”, as jogou no chão.

Marcie olhou para suas mãos e descobriu que as unhas do dedo anelar esquerdo e do dedo médio haviam sido quebradas.

— Você só tem oito unhas restando… — Jinfeng ampliou sua voz alegremente. — Depois que eu me livrar de todas as suas unhas, vou sair para ver você. Vamos nos divertir então, não vamos?

Jinfeng errou, Marcie só tinha seis unhas. Ela podia sentir uma gota de suor frio rolando pela testa, ela estava ficando ansiosa. Ela sabia que não poderia guardar as unhas porque eram sua última linha de defesa.

Onde será que ele está? — Marcie procurou nos bolsos, mas se decepcionou. Durante a sua estadia no Oásis, ela já tinha se acostumado com a luz elétrica, então não estava carregando um isqueiro. Se tivesse, poderia tentar queimar o lugar.

Nesse momento, ela viu um vulto negro pelos cantos dos olhos. Marcie não tinha ideia do que era, mas não ousou usar as unhas. Sua única opção era correr! Quando se virou para correr, não esperava ver mais de dez galhos voando em sua direção. Em pânico, rapidamente se jogou ao chão e rolou para o lado enquanto protegia a cabeça com as mãos.

— Ótimo! Só faltam sete! — Jinfeng riu. Outra unha da Marcie quebrou depois de ficar presa em um dos galhos.

Cinco.

Esse era o número real de unhas restantes. Ela tinha duas unhas na mão esquerda e três na direita.

Huh? — Marcie de repente parou. O sol no território do Jinfeng não era excessivamente intenso, mas a luz do sol se espalhava por todo o lugar. Ela podia ver as folhas verdes e galhos das árvores. Ela podia ver o céu azul-celeste. Ela podia ver tudo claramente. A quantidade de luz excedia em muito a da escuridão no Oásis. No entanto, ela percebeu que Jinfeng não sabia o número exato de unhas que ainda restavam em seus dedos.

Ele está se escondendo atrás de algo e por isso não consegue ver? — Marcie engoliu em seco. Se ela apenas se defendesse passivamente daquele jeito, ela se tornaria um alvo fácil depois que todas as suas unhas se quebrassem. Dessa forma, ela preferiria se arriscar. Seu batimento cardíaco disparou, e ela podia até sentir os tremores em seu peito. Marcie olhou para os dois lados. De repente, ela correu em direção à densa floresta. Desta vez, ela não se conteve. Correndo em sua velocidade mais rápida, ela avançou em direção à floresta deixando uma série de imagens para trás.

Atrás dela, inúmeras plantas, folhas, galhos e flores flutuavam no ar, cobrindo quase metade do céu. Era algo muito bonito de se observar.

— Oh? Tentando se esconder? — Marcie não sabia se estava imaginando coisas, mas o tom de Jinfeng parecia um pouco diferente. Pouco depois, centenas de plantas e flores transformadas em armas a seguiram até floresta.

A ameaça não vinha apenas de trás — nesse instante, Jinfeng também começou a militarizar os galhos e as folhas na floresta. Marcie podia ver a quantidade ameaçadora de pontas afiadas reunidas na frente dela. As plantas choveram sobre ela.

Marcie mesma não sabia como conseguiu seguir em frente. Seus braços estavam cobertos de sangue enquanto ela os usava para proteger a cabeça e o rosto, e alguns dos cortes em seu corpo eram tão profundos que atingiram seus ossos. Algumas flores parecidas com aço tinham se perfurado e grudado em sua coxa, então a cada doloroso passo para frente parecia que os nervos em suas pernas estavam gritando para ela parar.

Não precisava nem falar que suas roupas estavam em frangalhos depois daquele ataque parecido com um furacão, expondo sua pele clara e feridas sangrentas. Mesmo assim, Jinfeng não fez um único comentário sobre seu estado semi-exposto. Em vez disso, sua voz soava cada vez mais tensa, com um toque de desespero:

— Seis, cinco, quatro… — ele estava contando o número de unhas.

— Três!

Quando ele falou isso, Marcie só tinha uma unha sobrando. A floresta aparentemente infinita finalmente parou em um rio. Havia algumas ondulações no rio, e reflexo de alguns raios dourados de luz solar.

Quando olhou para o rio, Marcie viu o reflexo de seu próprio rosto ensanguentado com seu sorriso levemente sinistro. Ela conseguiu proteger sua última unha restante. Por mais cruéis que fossem os ataques anteriores, Jinfeng não podia mais continuar contando.

— Eu finalmente te encontrei…

Assim como ela disse, alguém se levantou da superfície do rio calmo e jogou água para todos os lados. A pessoa saltou e correu na direção oposta.

— Então você sente medo. — Marcie zombou. Ela nunca havia sentido tanta energia percorrendo seu corpo…

Sob o deslumbrante céu azul, uma mulher coberta de sangue saltou pelo ar enquanto sua presa corria no chão. Por um momento, foi como se tudo estivesse congelado em uma cena perfeita.

Jinfeng sentiu uma forte dor ardente nas costas e viu um vislumbre de uma gota de sangue. Quando ele gritou:

— Não…

A luz do sol desapareceu. O céu azul desapareceu. A grama, a floresta, o rio, tudo ficou embaçado e gradualmente desapareceu de sua vista.

Mais uma vez o prédio mal iluminado da fábrica reapareceu.

O ar quente os rodeava, cada respiração agonizante era como uma auto-tortura. Mesmo antes de sentir a dor da pele que entrava em contato direto com o chão, ele pôde ver fumaça branca acompanhada do cheiro de carne queimada.

Então é assim que uma pessoa sem Resistência ao Calor se sente?

Jinfeng ofegou violentamente como um peixe fora d’água. Ele sentiu como se suas entranhas estivessem se desintegrando. Sem aviso, ele sentiu um pé pressionando pesadamente sua garganta.

— Ei, nós nos encontramos novamente. — Marcie abaixou a cabeça, olhando para ele. Mesmo estando coberta de cortes da cabeça aos pés, ela parecia calma. — Mas, eu realmente não quero ver você de novo…

— Não. Não… Por favor… Por favor!

Marcie não tinha motivos para poupá-lo. Sua última unha perfurou facilmente a testa de Jinfeng como se estivesse cortando manteiga com uma faca quente.

Berjkley
Analista de Sistemas, Game Developer, Mestre de RPG. Gosta de Doctor Who, Não gosta de Vampiros Purpurinados.

6 Comentários

  1. Acho que essa foi a morte mais merecida que já teve até agora. Obrigado pela especial da semana, ela foi ótima!

    1. 😀 Na semana 4 tem mais um especial de PA 🙂
      Era para ser essa semana, mas eu não consegui adiantar os caps.

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
error: O conteúdo deste site está protegido!